Mercado fechará em 6 h 36 min
  • BOVESPA

    118.883,25
    +3.000,95 (+2,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.280,73
    +18,72 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,58
    +0,24 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.868,20
    +27,00 (+1,47%)
     
  • BTC-USD

    36.668,52
    +5.018,53 (+15,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    729,71
    +62,07 (+9,30%)
     
  • S&P500

    3.787,38
    +36,61 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    30.603,36
    +300,19 (+0,99%)
     
  • FTSE

    6.464,60
    -61,55 (-0,94%)
     
  • HANG SENG

    28.283,71
    -267,06 (-0,94%)
     
  • NIKKEI

    27.663,39
    -534,03 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    13.075,00
    -111,00 (-0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5985
    +0,0024 (+0,04%)
     

Confiança de serviços recua 0,7 ponto em janeiro

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil
Atualizado ·1 minuto de leitura

O Índice de Confiança de Serviços, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 0,7 ponto de dezembro de 2020 para janeiro deste ano. Com isso, o indicador chegou a 85,5 pontos, em uma escala de zero a 200.

A confiança dos empresários continua abaixo do nível pré-pandemia de covid-19, já que em fevereiro de 2020 o índice era de 94,4 pontos.

Tanto o Índice da Situação Atual, que mede a confiança no presente, quanto o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, recuaram 0,7 ponto de dezembro para janeiro. O primeiro índice chegou a 80 pontos, enquanto o segundo atingiu 91,3 pontos.

“Diante da nova piora nos números de covid e com o fim dos programas emergenciais do governo, consumidores ficam cada vez mais cautelosos, reduzindo o consumo de serviços que tendem a ter maior circulação de pessoas. Esse cenário contribui para a persistência de obstáculos na recuperação da confiança do setor”, explica o pesquisador da FGV Rodolpho Tobler.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada do setor de serviços aumentou 0,9 ponto percentual e passou para 83,4%, o maior valor desde setembro de 2015 (83,6%).

Publicação original