Mercado fechará em 5 h 17 min
  • BOVESPA

    120.081,04
    +434,64 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,13
    -0,18 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.867,90
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    32.649,31
    -852,79 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,67
    -51,94 (-7,41%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.752,79
    +12,40 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.358,25
    +64,00 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4030
    -0,0050 (-0,08%)
     

Confiança de serviços no Brasil tem leve recuperação em dezembro mas cautela persiste, diz FGV

·1 minuto de leitura
Consumidores caminham por rua comercial do Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança de serviços no Brasil apresentou leve recuperação em dezembro, depois de ter recuado por dois meses consecutivos, sinalizando melhora na percepção sobre o momento atual e os próximos meses, apesar da forte cautela ainda presente entre os consumidores.

A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou nesta terça-feira que seu Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 0,8 ponto em dezembro, a 86,2 pontos, terminando o ano 10 pontos abaixo do nível registrado em 2019 (96,2 pontos).

O Índice de Situação Atual (ISA-S), que mede a avaliação dos empresários sobre o momento presente do setor de serviços, teve alta de 0,9 ponto, a 80,7, mantendo um movimento de recuperação gradual iniciado em maio. O Índice de Expectativas (IE-S), indicador das perspectivas para os próximos meses, ganhou 0,7 ponto, a 92,0 pontos, após duas quedas consecutivas.

Apesar do resultado favorável em dezembro, "é preciso ter cautela pois consumidores ainda estão bastante receosos diante do aumento do número de casos (de Covid-19) e da incerteza em relação à chegada da vacina no Brasil", disse em nota Rodolpho Tobler, economista da FGV-Ibre.

"O cenário para os próximos meses é de continuidade da retomada, mas ainda existe um grande caminho até retornar ao nível pré-pandemia."

(Por Luana Maria Benedito; Edição de Camila Moreira)