Mercado abrirá em 4 h 46 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,63
    +0,43 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.767,70
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.875,08
    +391,50 (+2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,84
    +12,11 (+3,12%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.366,47
    +161,79 (+0,89%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.534,75
    +10,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4660
    +0,0094 (+0,17%)
     

Confiança da zona do euro cai para mínima de 2 anos em outubro

BRUXELAS (Reuters) - A confiança da zona do euro caiu para uma mínima de dois anos em outubro com recuos na indústria e serviços, mostraram dados nesta sexta-feira, embora tenha havido algumas visões de melhorias futuras e um declínio nas expectativas de inflação.

O índice mensal de sentimento econômico da Comissão Europeia caiu para 92,5 pontos em outubro, ante 93,6 em setembro, exatamente em linha com a expectativa de economistas consultados pela Reuters.

A confiança caiu na indústria e nos serviços, mas aumentou ligeiramente na construção, no varejo e entre os consumidores, mostraram os dados da Comissão, esta última se recuperando de uma mínima nos dados que vão a 2000.

Os fabricantes ficaram mais pessimistas em relação às encomendas e com a tendência de produção nos últimos meses, embora tenham uma visão um pouco mais positiva das expectativas de produção.

Nos serviços, as empresas também foram mais negativas em relação aos negócios nos últimos três meses e adotaram uma visão semelhante para a demanda ao longo do próximo trimestre.

Os consumidores fizeram uma avaliação sombria das condições atuais, mas estavam um pouco mais otimistas em sua visão para a economia e sua própria situação financeira no próximo ano, embora não sinalizassem maior disposição para fazer grandes compras.

As expectativas sobre inflação e preços caíram para consumidores e indústria, embora tenham sido maiores para serviços, dando algum conforto ao Banco Central Europeu, que elevou os juros para seu nível mais alto desde 2009 na quinta-feira.

(Reportagem por redação de Bruxelas)