Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.599,87
    +824,36 (+2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Confiança da indústria no Brasil fecha ano com 5ª queda e no menor nível em mais de 1 ano, diz FGV

·1 min de leitura
Fábrica de alumínio em Pindamonhangaba, SP

SÃO PAULO (Reuters) - O índice que mede a confiança da indústria no Brasil teve sua quinta queda consecutiva em dezembro, fechando o ano no nível mais fraco em mais de um ano, com uma avaliação menos favorável sobre o momento atual e expectativas mais cautelosas para 2022.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 2,0 pontos este mês, a 100,1 pontos, seu menor nível desde agosto do ano passado (98,7), mostraram dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Tal resultado se explica por problemas que se estenderam ao longo do ano, como pressão nos custos, escassez de insumos e elevada incerteza", explicou a economista do FGV IBRE, Claudia Perdigão, em nota.

Ela destacou ainda que o desemprego e a inflação, responsáveis pela queda no poder de compra das famílias e, consequentemente, na demanda, têm influência tanto nas avaliações da situação presente quanto para os próximos meses.

O Índice Situação Atual (ISA), que mede o sentimento em relação à atualidade, caiu 2,7 pontos, a 101,0 pontos, mínima desde agosto de 2020 (97,8).

O Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, teve queda de 1,2 ponto, para 99,1 pontos, menor patamar desde maio deste ano (99).

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada --indicador presente sobre se a indústria está produzindo a pleno vapor ou não-- cedeu 1,0 ponto percentual, para 79,7%, mesmo patamar de agosto.

"Sobre a escassez de insumos, espera-se uma normalização a partir do segundo semestre do próximo ano. Nesse contexto, o setor encerra 2021 com gargalos ainda não resolvidos, incitando recuo das expectativas", acrescentou Perdigão.

(Por Patrícia Vilas Boas)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos