Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.966,69
    +172,37 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Confiança da indústria no Brasil deve saltar a máxima em mais de 10 anos em dezembro, diz FGV

Luana Maria Benedito
·1 minuto de leitura
Fábrica da JBS em Passo Fundo, Rio Grande do Sul

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança da indústria no Brasil deve manter uma tendência de recuperação iniciada no segundo trimestre e saltar a seu maior patamar em dez anos e meio em dezembro, mostrou uma prévia da Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira.

Dados preliminares da Sondagem da Indústria sinalizam ganho de 1,5 ponto no Índice de Confiança da Indústria (ICI), a 114,6 pontos, máxima desde junho de 2010. Essa seria a oitava alta consecutiva do indicador, dando continuidade a uma retomada do setor industrial iniciada em maio.

Segundo a FGV, "a alta no resultado prévio da confiança da indústria é consequência de avaliações mais positivas sobre o momento presente e otimismo em relação aos próximos meses".

O Índice de Situação Atual deve saltar 1,6 ponto, a 119,8 pontos, máxima desde outubro de 2007, enquanto o Índice de Expectativas deve avançar 1,4 ponto, a 109,3 pontos.

A firme recuperação do setor industrial a partir de maio teve como pano de fundo a flexibilização de medidas restritivas contra a Covid-19 nos principais centros econômicos brasileiros, apesar da forte disseminação da doença no país.

O Brasil é o segundo país com maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro em casos, abaixo dos EUA e da Índia.