Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.435,93
    +2.098,50 (+4,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Confiança da indústria no Brasil cai em outubro pelo 3° mês consecutivo, diz FGV

·1 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança da indústria no Brasil caiu pelo terceiro mês consecutivo em outubro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira, com incertezas em várias frentes afetando a percepção dos empresários tanto sobre o momento atual quanto sobre o futuro do setor.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 1,2 ponto, a 105,2 pontos, sua terceira queda mensal consecutiva. Apesar da leitura negativa, o ICI continua acima de patamares pré-pandemia.

Em outubro, o Índice de Situação Atual (ISA), que mede o sentimento dos empresários sobre o momento presente do setor industrial, recuou 0,9 ponto, a 108,3 pontos, mínima desde setembro de 2020 (107,3 pontos).

Já o Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, caiu 1,7 ponto, para 101,9 pontos, menor patamar desde maio deste ano (99 pontos).

Claudia Perdigão, economista do FGV IBRE, disse em nota que o otimismo quanto à situação do segmento industrial para os próximos meses retornou a nível próximo do considerado neutro, indicando expectativa de manutenção do cenário atual.

"Essa avaliação ocorre em meio a pressões de custos, desemprego elevado, instabilidades econômicas e institucionais persistentes, tornando a conjuntura futura mais incerta e menos favorável a planos de expansão da produção", explicou Perdigão.

Indicadores de inflação domésticos bem mais altos do que o esperado têm elevado as expectativas do mercado para a alta dos preços no Brasil, enquanto dados recentes sobre o mercado de trabalho mostraram criação de vagas formais de trabalho mais fraca do que o projetado no mês passado.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos