Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.996,06
    -111,53 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Confiança da indústria no Brasil deve cair a menor patamar desde agosto de 2020, diz FGV

Luana Maria Benedito
·1 minuto de leitura
Funcionário carrega canos de cobre em fábrica Sociedade Paulista de Tubos Flexiveis (SPTF), em São Paulo

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança da indústria no Brasil deve apresentar piora pelo terceiro mês consecutivo em março, mostraram dados preliminares da Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira, caindo para o menor patamar desde agosto do ano passado.

A prévia da Sondagem da Indústria de março sinaliza queda de 4,0 pontos do Índice de Confiança da Indústria (ICI) este mês, para 103,9 pontos. Caso o resultado se confirme, o índice chegará a seu menor patamar desde agosto de 2020, quando registrou 98,7 pontos.

Segundo a FGV, "a queda no resultado prévio da confiança industrial ocorre influenciado pela piora da situação corrente e diminuição das expectativas em relação aos próximos meses."

O Índice de Situação Atual, que expressa a visão do setor sobre o momento presente, teve queda 4,1 pontos no resultado preliminar, para 110,8 pontos, enquanto o Índice de Expectativas, indicador da percepção em relação aos próximos meses, caiu 4,0 pontos, para 96,9 pontos.

A divulgação desses dados ocorre num dos piores momentos da crise sanitária no Brasil, o que está levando governos estaduais e municipais a anunciarem novas medidas de restrição para conter a disseminação da Covid-19.

Na quinta-feira, o Brasil registrou 2.724 novos óbitos em decorrência da doença, o que representa a segunda maior contagem diária desde o início da pandemia e eleva o total de vítimas fatais da doença no país a 287.499, segundo o Ministério da Saúde.