Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,05
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.767,60
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    64.108,56
    +2.051,75 (+3,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,64
    +21,29 (+1,45%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.365,12
    +149,60 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    15.380,75
    -17,75 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5068
    +0,0106 (+0,16%)
     

Confiança da indústria cai nos 30 setores avaliados pela CNI

·1 minuto de leitura

Os 30 setores pesquisados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresentaram queda na confiança, segundo o Índice de Confiança do Empresário Industrial – Resultados Setoriais, divulgado hoje (29) pela entidade. O Icei mostra a avaliação dos empresários sobre as condições de seus negócios.

De acordo com o levantamento, “é a primeira vez desde março de 2021 que uma forte queda de confiança atinge todos os setores”. A CNI, no entanto, acrescenta que, apesar da “forte queda de confiança”, o indicador setorial segue acima da linha de corte de 50 pontos. O indicador varia de 0 a 100. Valores acima de 50 são positivos.

Na avaliação do gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, o resultado mostra que os empresários seguem confiantes, mas essa confiança ficou “mais fraca e menos disseminada em setembro em relação a agosto”.

“Os setores que registraram as maiores quedas de confiança foram os seguintes: de produtos de limpeza, perfumaria e higiene pessoal, que caiu de 62,5 pontos para 53,4 pontos; de produtos farmoquímicos e farmacêuticos que passou de 63,4 pontos para 54,9 pontos; e de máquinas, aparelhos e materiais elétricos, que registrava 65,1 pontos em agosto e caiu para 57,2 pontos”, detalhou a CNI.

Os setores que se mostraram mais confiantes foram os de metalurgia (63,2 pontos); de máquinas e equipamentos (61 pontos); de calçados e suas partes (61); confecção de artigos do vestuário e acessórios (60,8); e de produtos de madeira (60,1). Já o setor que se mostrou menos confiante foi o de obras de infraestrutura, que registrou 53 pontos.

O levantamento foi feito entre os dias 1º e 15 de setembro, tendo ouvido 2.373 empresários. Destes, 948 são de pequeno porte; 852, de médio porte; e 573, de grande porte.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos