Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,76
    -0,73 (-1,11%)
     
  • OURO

    1.867,40
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    40.892,19
    -4.227,99 (-9,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.137,97
    -115,18 (-9,19%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.173,00
    -39,00 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4300
    -0,0001 (-0,00%)
     

Confiança da indústria do Brasil tem em abril mínima em 8 meses em meio a incertezas, diz FGV

Camila Moreira
·1 minuto de leitura
Fábrica de alumínio em Pindamonhangaba, SP

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança da indústria no Brasil recuou pelo quarto mês seguido em abril e chegou ao nível mais baixo em oito meses em meio a uma série de incertezas em torno da situação atual, segundo os dados da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgados nesta quinta-feira.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 0,7 ponto no mês e foi a 103,5 pontos, nível mais baixo desde agosto de 2020 (98,7 pontos).

"O ritmo lento do processo de vacinação, a desvalorização do real e a escassez de insumos enfrentada por alguns setores criam um ambiente de incerteza que favorece a piora da situação corrente e a manutenção de expectativas cautelosas", explicou a economista da FGV Ibre Claudia Perdigão.

O Índice de Situação Atual (ISA) teve queda de 1,4 ponto em abril e foi a 110 pontos, nível mais fraco desde setembro de 2020 (107,3 pontos).

Já o Índice de Expectativas (IE), indicador das perspectivas para os próximos meses, perdeu 0,2 ponto, a 96,9, menor patamar desde julho de 2020 (90,5 pontos).

"O estabelecimento dos programas de manutenção do emprego e auxílio às empresas poderá colaborar para a recuperação das expectativas para o início do próximo semestre”, completou Perdigão.

O governo editou nesta semana medida provisória prevendo a renovação do programa BEm, de apoio ao emprego formal, com custo estimado de 9,98 bilhões de reais, valor que será coberto por um crédito extraordinário aberto por uma segunda MP.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou ainda que o governo anunciará em breve a reedição do Pronampe, voltado para micro e pequenas empresas.