Mercado abrirá em 6 h 17 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,46
    -0,06 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.732,10
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.203,37
    +411,75 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,47
    +13,04 (+2,93%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    18.144,94
    +1.065,43 (+6,24%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.586,50
    -54,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1585
    -0,0094 (-0,18%)
     

Confiança da indústria do Brasil sobe em agosto com visão melhor sobre situação atual, diz FGV

Carros recém-produzidos em estacionamento de fábrica em São Bernardo do Campo, SP

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança da indústria no Brasil teve alta em agosto, impulsionada por melhora na percepção de empresários sobre o momento atual do setor, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira, citando possível efeito da redução dos preços de combustíveis e energia.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da FGV subiu 0,8 ponto em agosto, a 100,3 pontos, depois de ter caído acentuadamente no mês anterior. O Índice Situação Atual (ISA) da sondagem avançou 1,4 ponto neste mês, para 102,8 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) ganhou 0,3 ponto, para 97,9.

"A melhora do ambiente de negócios no mês foi possivelmente influenciada pela descompressão de custos com a queda de preços de combustíveis e energia", disse em nota Stéfano Pacini, economista do FGV Ibre, acrescentando que a leitura do ICI mostra que o setor industrial mantém um bom nível de atividade no terceiro trimestre.

"Os níveis de demanda ainda estão positivos e os estoques se mantêm equilibrados, apesar do cenário ainda problemático quanto ao suprimento de alguns tipos de insumos. Esse quadro favorável se reflete nas previsões ainda favoráveis para a evolução do emprego."

Um indicador de expectativas de emprego para os três meses seguintes teve alta pelo quinto mês seguido, de 0,7 ponto, a 104,6 pontos, informou a FGV. Esse resultado foi o melhor desde outubro de 2021 (108,1).

Apesar do resultado positivo de agosto, Pacini alertou que ainda há alguma cautela dos empresários em relação ao futuro, diante de um segundo semestre marcado pelas eleições presidenciais e com expectativa de manutenção de juros elevados no Brasil.

(Por Luana Maria Benedito)