Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.208,49
    -449,05 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Confiança da indústria atinge menor nível desde agosto

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 0,7 ponto de março para abril. Foi a quarta queda consecutiva do indicador, que atingiu 103,5 pontos, o menor nível desde agosto de 2020 (98,7 pontos). Constatou-se piora na confiança dos empresários brasileiros em 14 dos 19 segmentos industriais pesquisados.

O Índice de Situação Atual, que mede a percepção do empresariado em relação ao presente, caiu 1,4 ponto e chegou 110 pontos, menor nível desde setembro de 2020 (107,3 pontos). Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, cedeu 0,2 ponto e atingiu 96,9 pontos, menor nível desde julho de 2020 (90,5 pontos).

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada recuou 1,6 ponto percentual, indo para 76,7%, o menor patamar desde agosto de 2020 (75,3%).

“O ritmo lento do processo de vacinação, a desvalorização do real e a escassez de insumos enfrentada por alguns setores criam um ambiente de incerteza que favorece a piora da situação corrente e a manutenção de expectativas cautelosas, em níveis inferiores a normalidade, ou seja, abaixo de 100. Entretanto, o estabelecimento dos programas de manutenção do emprego e auxílio às empresas poderá colaborar para a recuperação das expectativas para o início do próximo semestre”, disse a economista da FGV Claudia Perdigão.

Ouça na Radioagência Nacional

Acompanhe essa e outras notícias na Radioagência Nacional