Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.866,22
    -534,62 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Confiança do consumidor sobe em outubro após dois meses de queda, mas cenário ainda é de cautela--FGV

·2 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança do consumidor brasileiro voltou a subir em outubro após dois meses de queda, apoiada por uma revisão das expectativas sobre as finanças familiares em meio a uma melhora na avaliação de cenário para o mercado de trabalho nos próximos meses.

O índice de confiança do consumidor subiu 1,0 ponto em outubro, para 76,3 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira.

O Índice de Situação Atual (ISA), um dos componentes do índice cheio, variou 0,2 ponto, para 69,0 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) subiu 1,3 ponto, para 82,4 pontos.

Do lado das expectativas, o indicador que mais influenciou foi o que mede as perspectivas sobre a situação financeira familiar, que avançou 3,8 pontos, para 83,5 pontos. Ainda assim, essa recuperação representa apenas 30% das perdas de sofridas em setembro.

O indicador que mede as expectativas sobre a situação econômica subiu 1,0 ponto, para 98,5 pontos. Mesmo com melhores perspectivas financeiras familiares, contudo, o ímpeto de compras para próximos meses continuou a cair pelo segundo mês consecutivo, com baixa de 0,9 ponto, para 67,5 pontos.

"Consumidores se mantêm cautelosos em relação à intenção de compra de bens duráveis. O aumento da incerteza, o aumento dos preços e a demanda represada por serviços na pandemia podem estar contribuindo para frear o consumo desses produtos", afirmou Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das Sondagens da FGV.

Houve acomodação da avaliação dos consumidores sobre a situação atual. O indicador que mede percepção dos consumidores sobre a situação econômica no momento variou 0,3 ponto em outubro, para 74,8 pontos, e o que mede a satisfação sobre as finanças pessoais teve oscilação de 0,2 ponto, para 63,8 pontos.

A FGV avaliou que ambos se mantêm em patamar muito baixo em termos históricos. E a percepção de uma confiança que ainda mostra debilidade é endossada pelas médias móveis trimestrais do índice cheio: a média se manteve negativa ao cair 2,0 pontos, para 77,8 pontos, em outubro.

Ainda de acordo com a FGV, a análise por faixa de renda revela piora da confiança apenas para os consumidores com renda de até 2.100,00 reais, acumulando queda de 1,4 ponto, para 63,7 pontos. A faixa de renda entre 2.100,01 reais e 4.800,00 reais registrou o melhor desempenho, com alta de 5,3 pontos, para 73 pontos.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos