Mercado abrirá em 9 h 20 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,90
    +0,52 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.775,40
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    54.493,20
    -2.615,71 (-4,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.241,11
    -57,85 (-4,45%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.117,06
    +10,91 (+0,04%)
     
  • NIKKEI

    29.150,71
    -534,66 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.926,00
    +28,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6938
    +0,0181 (+0,27%)
     

Confiança do consumidor paulista cai 7 pontos e atinge pior resultado

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019: Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019: Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A confiança do consumidor paulista em relação à economia chegou a 71 pontos, o pior resultado desde o início da pandemia, segundo pesquisa da ACSP (Associação Comercial de São Paulo) que será divulgada na quarta (24). Em fevereiro de 2020, o índice era de 102 pontos.

A queda de 7 pontos na comparação com o mês passado é atribuída ao agravamento da pandemia, ao fim do auxílio emergencial e às medidas restritivas ao comércio, bares e restaurantes, segundo a entidade. “A tendência é que este quadro piore ainda mais, porque a pandemia está descontrolada”, diz o economista da ACSP, Marcel Solimeo.

O indicador varia de 0 a 200.

Dos 800 consumidores entrevistados nas regiões metropolitana, interior e litoral, 56% disseram que estão com a situação financeira ruim ou péssima, 10% a mais do que em fevereiro. Apenas 21% deles se veem bem financeiramente, 8% a menos.

Segundo a pesquisa, mais pessoas acham que o desemprego vai aumentar no estado. Mais de 70% disseram que eles próprios, um de seus familiares ou conhecidos perderam o trabalho nos últimos seis meses. E quase metade dos entrevistados projetam estar nessa situação no próximo semestre.

Também caiu a confiança para investir em bens de grande valor, como carro e casa (7%), e médio valor, como geladeira e fogão (11%). “A falta do auxílio emergencial e o fechamento dos postos de trabalho contribuem para que o consumidor tenha poucas condições de movimentar a economia”, diz Solimeo.