Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.033,19
    -625,50 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Confiança do consumidor no Brasil tem 3ª queda consecutiva em dezembro, diz FGV

·1 minuto de leitura
Ladeira Porto Geral, área popular de compras em São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança do consumidor brasileiro registrou sua terceira queda mensal consecutiva em dezembro, refletindo pioras nas avaliações sobre o momento presente e o futuro do setor em meio à forte disseminação da Covid-19, desemprego alto e fim de benefícios emergenciais do governo.

A Fundação Getulio Vargas (FGV) disse nesta terça-feira que seu Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou 3,2 pontos em dezembro, a 78,5 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice cedeu 1,6 ponto, encerrando uma tendência de alta iniciada em julho.

O resultado de dezembro foi reflexo tanto da piora na satisfação dos consumidores com o momento atual quanto das menores expectativas em relação aos próximos meses. O Índice de Situação Atual (ISA) perdeu 2,1 pontos, a 69,7 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) caiu 3,7 pontos, a 85,6.

"Diante de uma segunda onda de Covid-19, fim dos benefícios emergenciais e desemprego elevado, os consumidores, principalmente os de menor poder aquisitivo, sinalizam que continuarão contendo o consumo", disse em nota Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens.

"O comportamento mais cauteloso está relacionado principalmente a uma percepção de dificuldade de se obter emprego: 97,5% dos consumidores avaliam que está difícil obter emprego no momento, fazendo com que o indicador atinja o menor nível dos últimos 16 anos. A despeito da aproximação do início das campanhas de vacinação, o consumidor continua desanimado em relação a 2021", completou.

O Brasil registrou na segunda-feira 527 novos óbitos em decorrência da Covid-19, o que eleva o total de mortes pela doença no país a 187.291, informou o Ministério da Saúde.

(Por Luana Maria Benedito)