Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.062,14
    -231,29 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Confiança do consumidor dos EUA tem leve queda em maio; preços das casas disparam em março

Consumidor faz compras em supermercado na cidade de Nova York

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - A confiança do consumidor dos Estados Unidos diminuiu modestamente em maio, à medida que a inflação persistentemente alta e o aumento das taxas de juros forçam norte-americanos a se tornar mais cautelosos ao comprar itens de grande valor, incluindo veículos motorizados e casas, o que pode reduzir o crescimento econômico.

A pesquisa do Conference Board divulgada nesta terça-feira também mostrou que as percepções dos consumidores sobre o mercado de trabalho suavizaram um pouco neste mês. Embora a queda na confiança tenha sido pequena, sugeriu que as ações agressivas de política monetária do Federal Reserve para desacelerar a demanda estavam começando a ter impacto.

O índice de confiança do consumidor do Conference Board caiu para 106,4 neste mês. Os dados de abril foram revisados para cima, a 108,6, em vez da leitura anteriormente relatada de 107,3. O índice permanece acima de suas mínimas pandêmicas.

Um relatório separado mostrou nesta terça-feira que o índice S&P CoreLogic Case-Shiller 20 de preços de residências em áreas metropolitanas subiu a uma taxa recorde de 21,2% na base anual em março, após aumento de 20,3% em fevereiro. Estoques apertados, especialmente de casas antigas, estão impulsionando os preços das moradias.

A elevada inflação dos preços das residências foi reforçada por outro relatório da Agência Federal de Financiamento da Habitação, que mostrou que os preços das casas aumentaram 19% nos 12 meses até março, após subirem 19,3% em fevereiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos