Mercado abrirá em 7 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,53
    -0,97 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.631,00
    -5,20 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    18.814,99
    -1.309,61 (-6,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,33
    -28,81 (-6,27%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.435,40
    -424,91 (-2,38%)
     
  • NIKKEI

    26.019,17
    -552,70 (-2,08%)
     
  • NASDAQ

    11.241,25
    -92,50 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Confiança do consumidor dos EUA sobe mais que o esperado em agosto

Consumidores compram alimentos em supermercado, em Nova York, EUA

WASHINGTON (Reuters) - A confiança do consumidor norte-americano se recuperou mais do que o esperado em agosto, após três quedas mensais consecutivas, com as intenções de sair de férias subindo para o maior patamar em oito meses, um potencial sinal positivo para os gastos do consumidor.

O Conference Board informou nesta terça-feira que seu índice de confiança do consumidor subiu para leitura de 103,2 neste mês, de 95,3 em julho. Economistas consultados pela Reuters previam que o índice subiria para 97,7.

O índice de situação atual da pesquisa, com base na avaliação dos consumidores sobre o momento presente dos negócios e do mercado de trabalho, subiu para 145,4, de 139,7 em julho. O índice de expectativas, baseado nas perspectivas de curto prazo para renda, negócios e mercado de trabalho, avançou para 75,1, de 65,6 no mês passado.

"As intenções de compra aumentaram após uma retração em julho, e as intenções de férias atingiram máxima de oito meses", disse Lynn Franco, diretora sênior de indicadores econômicos do Conference Board.

"A melhora na confiança de agosto pode ajudar a sustentar os gastos, mas a inflação e os aumentos adicionais dos juros ainda representam riscos para o crescimento econômico no curto prazo."

(Por Lucia Mutikani)