Mercado fechará em 5 h 51 min
  • BOVESPA

    109.401,41
    -2.522,52 (-2,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,84
    -1,09 (-1,42%)
     
  • OURO

    1.792,90
    +11,60 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    17.011,14
    -249,34 (-1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,30
    -9,92 (-2,41%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.541,75
    -25,79 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.822,00
    +16,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4990
    -0,0344 (-0,62%)
     

Confiança do consumidor alemão aponta leve recuperação em novembro, diz GfK

Área comercial de Kurfurstendamm, em Berlim

BERLIM (Reuters) - A confiança do consumidor alemão deve se recuperar ligeiramente em novembro, um pequeno alívio após quatro meses consecutivos de mínimas recordes, embora seja muito cedo para falar sobre uma reversão de tendência neste momento, de acordo com uma pesquisa do instituto GfK nesta quinta-feira.

O instituto disse que seu índice de confiança do consumidor subiu para -41,9 para novembro, de uma leitura revisada para baixo de -42,8 em outubro, e em linha com as previsões de analistas consultados pela Reuters.

"É certamente muito cedo para falar de uma reversão de tendência no momento. A situação continua muito tensa para o sentimento do consumidor", disse Rolf Buerkl, especialista em consumo da GfK.

Com a inflação de dois dígitos e as preocupações sobre a segurança do abastecimento energético, "resta saber se a atual estabilização vai durar ou se há motivos para temer uma deterioração maior diante da chegada do inverno", acrescentou Buerkl.

O subíndice de expectativas econômicas foi o único a registrar queda, caindo para -22,2 em outubro, de -21,9 em setembro, com os consumidores esperando que a maior economia da Europa entre em recessão, como também previsto pelo governo para 2023.

A inflação alemã atingiu seu nível mais alto em mais de 25 anos em setembro, impulsionada pelos altos preços de energia.

(Reportagem de Miranda Murray)