Mercado abrirá em 4 h 6 min

Confederação nacional diz que 72% das propriedades rurais “estão off line”

Claudio Yuge

Embora as operadoras tenham ampliado a cobertura brasileira em lugares remotos, como em campos de agricultura e locais distantes em cidades pequenas, a situação de quem trabalha em lavouras ainda está longe da conectividade almejada no setor. Isso é o que revela a Confederação Nacional de Agricultura (CNA), que considera a falta de banda larga ampla e segura como o principal problema no segmento.

Segundo Joaci Medeiros, coordenador técnico da CNA, das 5 milhões de propriedades rurais existentes no país, 72% estão “off line” — sem qualquer tipo de conexão, seja por voz ou por dados. “E, desse total, 50% estão localizadas no Norte e Nordeste e 91% são propriedades de até 100 hectares”, afirmou, em live promovida pelo Fórum IoT nesta quarta-feira (10).

Reprodução/TeleSíntese

De acordo com um levantamento feito pela entidade, dos dez maiores municípios produtores de grãos do país, em oito as propriedades rurais não têm conexão de telecomunicações. A CNA realizou um estudo para a instalação de acessos satelitais, a partir de testes com a Viasat, Telebras e Hugesnet. Essa avaliação prevê que, para alimentar um ponto de conexão capaz de enviar e-mais e emitir notas fiscais digitais em 3,5 milhões de residências no campo, serão necessários R$ 7,3 bilhões em investimentos.

Vale destacar que essa preocupação vem aquecendo o setor de conectividade rural, já que, com a chegada do 5G nos próximos anos, a transformação digital deve impulsionar as atividades a partir de automatização com uso da Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês). Em abril deste ano, um levantamento realizado pela Liga Insights contabilizou pelo menos 307 Agtechs, as startups voltadas para o setor de agropecuária.

Fonte: Canaltech