Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,59 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,76 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,31
    -0,24 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.816,30
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    18.857,01
    -542,76 (-2,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    371,42
    -8,44 (-2,22%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,28 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.455,00
    +2,75 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3066
    -0,0546 (-0,86%)
     

Confaz prorroga convênios que reduzem impostos para o agronegócio, diz CNA

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) aprovou a prorrogação de dois convênios que reduzem a cobrança de impostos no agronegócio até 31 de março de 2021, informou nesta quinta-feira a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Foram prorrogados o Convênio 100/1997, que prevê a isenção tributária em operações internas e a redução da base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na comercialização interestadual de insumos agropecuários, e o Convênio 52/1991, que indica impostos menores sobre máquinas e equipamentos agrícolas, de acordo com a CNA.

Ambos possuíam validade até o final deste ano.

Em reunião extraordinária do Confaz, composto pelos secretários da Fazenda das 27 unidades da federação, Sergipe e Ceará votaram contra a renovação, mas "foram convencidos pelas demais unidades... para a importância das renovações", disse a confederação em comunicado.

"Esse convênio é muito importante para o setor agropecuário, pois reduz o tributo incidente sobre os insumos. Com isso, os produtores rurais que adquirem estes insumos têm menos tributação e, portanto, menores custos", afirmou o coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon.

(Por Gabriel Araujo)