Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,43
    +0,30 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.770,60
    -9,60 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    56.181,59
    +446,44 (+0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.272,64
    -26,31 (-2,03%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.891,75
    -137,75 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6773
    -0,0088 (-0,13%)
     

Confaz prorroga convênios que reduzem impostos agropecuários; eleva tributo de fertilizante

·2 minuto de leitura
Benefício tributário vale para máquinas agrícolas

SÃO PAULO (Reuters) - O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), composto pelos secretários de Fazenda do país, aprovou a prorrogação até o final de 2025 de dois convênios que reduzem a cobrança de impostos no agronegócio, informou a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) nesta sexta-feira.

As medidas envolvem os convênios ICMS 100/1997 e 52/1991. O primeiro prevê a isenção tributária em operações internas e a redução da base de cálculo do ICMS na comercialização interestadual de insumos agropecuários, enquanto o segundo estabelece impostos menores sobre máquinas e equipamentos agrícolas.

A decisão, tomada em reunião extraordinária, ocorre pouco antes de as medidas expirarem, dado que o Confaz havia estendido os convênios até o final de março de 2021 em uma reunião ocorrida em outubro do ano passado.

A frente parlamentar lembrou em nota que, em relação a fertilizantes, o conselho já possui acordo para tributá-los de forma escalonada, com a aplicação de 1% ao ano até que a alíquota atinja 4%.

"Os demais insumos permanecem como estão, 30% na redução da base de cálculo do ICMS na comercialização interna e interestadual de ração e sementes e de até 60% nos defensivos agrícolas", disse a FPA, que se posiciona de forma contrária ao acordo dos secretários para elevar a tributação sobre fertilizantes.

No setor, a Associação dos Misturadores de Adubo do Brasil (AmaBrasil) criticou a medida. Em nota, a entidade disse que a tributação vai forçar o repasse de um custo de 4 bilhões de reais por ano para a agricultura e não vai melhorar a produção nacional de fertilizantes.

"Vai pura e simplesmente aumentar o imposto para o agricultor sem garantia de investimento recíproco", afirmou.

Citando dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a FPA disse que a estimativa de custos adicionais é de 50 bilhões de reais por ano com a tributação dos fertilizantes e afirmou ainda que a medida aumentará em 9,5% a inflação dos alimentos. "O aumento do custo de produção de grãos e frutas, por exemplo, será de 10,5%, em média".

(Por Gabriel Araujo)