Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,44
    -0,34 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.820,40
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    20.058,93
    -257,03 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    431,62
    -8,04 (-1,83%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.651,20
    -153,40 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    11.676,50
    -14,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Conexão 6G deve chegar em 2030 e será 100 vezes mais rápida que o 5G

A expectativa é de que a nova geração chegue ao mercado nos próximos oito anos (Getty Image)
A expectativa é de que a nova geração chegue ao mercado nos próximos oito anos (Getty Image)
  • Maior operadora do mundo está desenvolvendo a conexão 6G

  • Sucessora do 5G pode chegar ao mercado em 2030

  • Brasil ainda está atrasdo na implantação de internet rápida

Enquanto o Brasil se prepara para receber a internet 5G em larga escala, já tem quem está pensando na próxima geração de conexão móvel.

A China Mobile divulgou um estudo técnico que propõe a arquitetura e o desenho para o 6G. Ela é a maior operadora da China e do mundo, com 967 milhões de clientes, sendo 495 milhões deles usuários da rede 5G.

De acordo com o projeto, a tecnologia deve ter até 100 vezes mais velocidade em relação ao atual 5G, além de uma maior confiabilidade. Com maior rapidez e qualidade na conectividade, o usuário poderá baixar simultaneamente dez vídeos de resolução HD em apenas um segundo.

No momento, a China é o país que lidera a corrida pela próxima etapa de conexão, apesar do alto investimento realizado por Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão. A ideia é que a nova era da internet seja instaurada nos próximos oito anos.

Nomeado como "Technical White Paper on 6G Network Architecture", o documento, diz que a arquitetura do 6G baseada em "três corpos, quatro camadas e cinco lados". Essa análise reúne diferentes conceitos já existentes que podem ser usados para a criação do 6G.

Tecnologia deve demorar para ser implantada na rede brasileira

Como o 5G ainda caminha com dificuldade no Brasil, é difícil prever quando o sucessor da quinta geração chegará ao país.

O mapa global de cobertura de redes móveis celulares da nPerf mostra que mesmo capitais como Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo têm rede limitada a pequenas áreas.

Outro problema é que a maior parte desse tipo cobertura no Brasil é do chamado "5G impuro" (também conhecido como 5G DDS ou "5Gzinho"), que utiliza antenas 4G para propagar sinal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos