Mercado abrirá em 2 h 31 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,08
    +0,20 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.929,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    23.437,09
    -338,96 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,96
    -10,36 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.835,35
    +15,19 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.634,75
    -212,00 (-1,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4900
    +0,0003 (+0,01%)
     

Conexões sociais nos fazem cuidar melhor da saúde e ter mais saúde mental

Todos sabemos como é importante ter um bom grupo de amigos ou se sentir próximo a seus familiares, especialmente em tempos difíceis, como a pandemia de covid-19. Cientistas das universidades de Kent, Coventry e Nottingham Trent resolveram ir além e quantificar o impacto das conexões sociais na saúde física e mental dos seres humanos.

Para chegar aos resultados, foram entrevistadas mais de 13 mil pessoas de 122 países diferentes entre março e maio de 2020, no ápice do isolamento social causado pelo coronavírus. Os pesquisadores questionaram os participantes sobre seu vínculo com círculos sociais próximos, como amigos e familiares, e vínculo a grupos mais amplos, como os nacionais e globais — para saber se se sentiam ligados à humanidade, mais especificamente.

Conexões com amigos, família e grupos mais amplos são positivos à saúde — cientistas, agora, descobriram o quanto (Imagem: Rido81/Envato)
Conexões com amigos, família e grupos mais amplos são positivos à saúde — cientistas, agora, descobriram o quanto (Imagem: Rido81/Envato)

Família e saúde

Também foram avaliados os comportamentos de saúde relacionados à pandemia e à saúde mental, ligados ao bem-estar e relações sociais dos indivíduos pesquisados. Os resultados mostraram, curiosamente, que o vínculo familiar foi associado positivamente a comportamentos saudáveis, como lavar as mãos frequentemente, utilizar máscaras e aceder ao distanciamento social — enquanto a ligação com grupos externos não apresentou correlação.

Isso é refletido nos dados obtidos pelo estudo: 46% dos participantes com laços familiares fortes lavavam as mãos com muita frequência, enquanto 32% com poucos laços familiares apresentaram o comportamento. Das que não tinham vínculo com a família, 54% relataram nunca ter usado máscaras na pandemia, um número consideravelmente alto.

Conexões próximas com familiares melhoraram os comportamentos de saúde das pessoas, como lavar as mãos e usar máscara e distanciamento social (Imagem: Unsplash)
Conexões próximas com familiares melhoraram os comportamentos de saúde das pessoas, como lavar as mãos e usar máscara e distanciamento social (Imagem: Unsplash)

De todos os entrevistados, apenas 27% tinham laços familiares fortes, mas eles representaram 73% dos que se distanciavam socialmente, 35% dos que lavavam bastante as mãos e 36% dos que usavam máscaras. Isso pode ser reflexo do desejo de cuidar da saúde física dos familiares, evitando tragédias aos seus entes queridos. Já em relação à saúde mental e bem-estar geral, a prevalência familiar não foi exclusiva.

Invista em amigos

Segundo os cientistas, laços fortes com círculos sociais próximos, bem como os grupos mais amplos, foram muito positivos, gerando comportamentos mais saudáveis e um bem-estar psicológico melhor — ao menos segundo os relatos dos voluntários —, bem como menos sintomas de depressão e ansiedade. Há mais! Quanto maior o número de grupos com os quais os indivíduos tinham vínculos mais fortes, melhores os comportamentos e relatos de bem-estar.

A proximidade com amigos e grupos mais gerais fez muito bem à saúde mental, psicológica e comportamentos de saúde melhores nos participantes: quanto mais grupos, melhor! (Imagem: Nintendo/Divulgação)
A proximidade com amigos e grupos mais gerais fez muito bem à saúde mental, psicológica e comportamentos de saúde melhores nos participantes: quanto mais grupos, melhor! (Imagem: Nintendo/Divulgação)

Com isso, o estudo recomenda que autoridades de saúde concentrem mensagens relacionadas à saúde pública também em redes menores, especialmente em tempos de crise, encorajando a população a compartilhar comportamentos saudáveis com seus próximos de forma exemplar.

Isso vem da conexão social e necessidade de pertencer a um grupo, nos levando a preocupar e imitar o comportamento das pessoas com quem convivemos. Isso vale mesmo para grupos abstratos, como países e governos. Precisamos nos sentir fazendo parte de algo, o que aumenta a importância dos laços estreitos com nossa família, amigos e grupos sociais. Em outras palavras, precisamos uns dos outros.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: