Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.622,02
    +93,05 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,93
    -0,74 (-1,18%)
     
  • OURO

    1.792,10
    +13,70 (+0,77%)
     
  • BTC-USD

    56.121,55
    +66,31 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,52
    +28,56 (+2,26%)
     
  • S&P500

    4.153,77
    +18,83 (+0,46%)
     
  • DOW JONES

    33.969,81
    +148,51 (+0,44%)
     
  • FTSE

    6.908,84
    +48,97 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.835,00
    +40,75 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7007
    -0,0018 (-0,03%)
     

Concessionárias de veículos pedem para reabrir na fase emergencial

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Concessionárias de veículos de São Paulo, que tiveram de fechar as portas na nova fase de restrições para segurar o descontrole da pandemia, estão pedindo ao governador João Doria para negociar a reabertura. O vice-presidente da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), João Batista Simão, diz que as vendas do setor são dependentes do atendimento presencial. “É necessário fazer demonstrações para o cliente sobre o veículo que ele pretende comprar, fazer uma avaliação do carro usado. A venda presencial ainda é muito importante no Brasil”, diz. A federação enviou carta a Doria neste mês pedindo a reabertura, mas não pretende judicializar, segundo Simão. Ele afirma que não recebeu aceno positivo do governo. Nesta quinta-feira (18), a capital paulista atingiu a ocupação de 88% dos leitos de UTI para atendimento de pacientes com Covid-19. Segundo a Prefeitura, a capital registrou a primeira morte de paciente à espera de uma vaga de UTI em um hospital municipal no último dia 13​. Simão diz que considera o fechamento das concessionárias incompreensível, já que a oficina e o pós-venda seguem como atividades essenciais e podem funcionar, mas a área de vendas não pode.