Mercado fechará em 1 h 5 min
  • BOVESPA

    129.881,89
    +440,86 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.142,08
    -144,38 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,93
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.866,90
    -12,70 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    39.775,04
    +2.322,55 (+6,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,55
    +23,71 (+2,45%)
     
  • S&P500

    4.238,19
    -9,25 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.257,32
    -222,28 (-0,64%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.071,00
    +76,75 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1460
    -0,0466 (-0,75%)
     

Centro-sul terá menor safra de cana desde 2018/19, prevê Conab

·3 minuto de leitura
Plantação de cana-de-açúcar em Ribeirão Preto, em São Paulo, Brasil

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) -A safra de cana do centro-sul do Brasil em 2021/22 deverá atingir 574,8 milhões de toneladas, queda de 4,6% ante a temporada 2020/21, devido ao impacto da seca e de uma queda de área plantada, estimou nesta terça-feira a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Esse volume para a temporada recém-iniciada, se confirmado, será o menor desde a temporada 2018/19, quando a colheita de cana na região que responde por cerca de 90% da moagem de cana caiu para 572,7 milhões de toneladas.

A produção de açúcar da principal região produtora do Brasil, maior exportador global da commodity, deverá atingir 35,8 milhões de toneladas, queda de 6,4% na comparação anual, apontou a Conab em sua primeira estimativa para a nova safra.

Já a produção total de etanol (de cana e milho) em 2021/22 foi estimada em 28,36 bilhões de litros no centro-sul, queda de 7,4% na mesma comparação, segundo números da estatal.

"A ocorrência de chuva abaixo da média, que afetou o desenvolvimento da cana-de-açúcar durante o ano passado e início deste, fará com que a moagem de cana, especialmente na região centro-sul, na temporada que se inicia, atinja um dos menores níveis dos últimos anos", afirmou a Conab.

A estatal ainda apontou a área plantada com cana no centro-sul do Brasil em 7,5 milhões de hectares, queda de 2,4% na comparação anual.

Segundo a Conab, a queda na área ocorre diante de grande concorrência de cultivos anuais, como soja e milho, "que ganharam ótima rentabilidade recentemente e podem influenciar diretamente na destinação de área para cana-de-açúcar".

Na região Sudeste, principal região produtora de cana-de-açúcar do país, a variação de área em produção terá redução de 3% em comparação a 2020/21.

A produção de etanol só não cairá mais porque a fabricação do biocombustível a partir do milho crescerá em 500 milhões de litros, para 3,5 bilhões de litros, apontou a Conab. A região Centro-Oeste representa quase toda a produção a partir do cereal.

Para o Brasil, a Conab estima uma safra de cana de 628,14 milhões de toneladas, queda de 4%.

A produção nacional de açúcar deverá atingir 38,9 milhões de toneladas, queda de 5,7%, que só não é maior pelo crescimento de 2,8% na fabricação no Nordeste.

No país, a produção de etanol (cana e milho) deverá atingir 30,5 bilhões de litros, redução de 6,8%.

EXPORTAÇÃO FORTE

Na safra 2021/22, a perspectiva é de que as exportações de açúcar se mantenham em patamares elevados, influenciadas pela continuidade do cenário de preços internacionais atrativos e taxa de câmbio favorável, disse a Conab.

Em abril, mês que marca o início oficial da safra, o Brasil exportou cerca de 1,9 milhão de toneladas de açúcar, alta de 25,7% em relação a igual período do ciclo anterior.

Apesar de preço e câmbio favoráveis à exportação de açúcar na safra 2021/22, a menor produção "limita a disponibilidade" para vendas externas.

"Há uma preocupação em relação ao clima, com chuva abaixo da média em algumas regiões produtoras, com tempo seco e temperaturas elevadas, que podem reduzir a produtividade dos canaviais", destacou a Conab.

"Outro fator de limitação da produção do açúcar está relacionado à alteração do mix de produção do setor sucroenergético, pois há expectativa de recuperação do consumo de etanol à medida que a pandemia do Covid-19 seja controlada, o que deve incentivar a ampliação da produção de etanol em detrimento do açúcar."

As exportações de etanol ainda devem ser favorecidas pelo câmbio, mas o crescimento da demanda interna deverá também limitar a disponibilidade de etanol para embarques ao exterior.

A importação de etanol, que apresentou redução de 65,2% na safra 2020/21, também deverá apresentar queda no ciclo 2021/22 e limitar a oferta interna diante do real enfraquecido em relação ao dólar e da taxação do etanol norte-americano em 20%, desde dezembro de 2020, lembrou a estatal.

(Por Roberto Samora; edição de Luciano Costa)