Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.050,33
    +1.768,05 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.412,03
    +73,69 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,25
    +1,02 (+1,41%)
     
  • OURO

    1.746,70
    -32,10 (-1,80%)
     
  • BTC-USD

    44.536,37
    +1.180,77 (+2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.116,12
    +7,20 (+0,65%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.314,00
    +150,50 (+0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2242
    +0,0154 (+0,25%)
     

Conab vê safra de soja 21/22 do Brasil em 141,26 mi t; milho terá recuperação

·3 minuto de leitura
Colheita de milho em Xanxerê (SC)

SÃO PAULO (Reuters) - A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimou nesta quinta-feira um avanço de 3,9% na produção de soja do Brasil em 2021/22 ante a atual temporada, enquanto a safra total de milho do país deverá se recuperar após sofrer uma quebra em função das condições climáticas adversas em 2020/21.

As duas commodities, que respondem pela maior parte da safra de grãos brasileira, devem dar impulso a uma nova produção recorde no ano que vem, de 289,6 milhões de toneladas de grãos, segundo a Conab.

Em sua primeira divulgação de projeções para a próxima temporada, a estatal indicou que a safra de soja 2021/22 atingirá 141,26 milhões de toneladas, puxada por um aumento de 3,6% na área plantada em meio a preços atrativos e expectativas positivas de rentabilidade.

A área de cultivo da oleaginosa tende a alcançar 39,91 milhões de hectares na nova temporada, disse a Conab, citando também o câmbio atrativo neste momento, com o real desvalorizado frente ao dólar, e expectativas de aumento nas exportações e no esmagamento no ano que vem.

Pelos números da Conab, as exportações de soja do Brasil devem chegar a 87,58 milhões de toneladas em 2022, versus 83,42 milhões de toneladas neste ano, diante de uma estimativa de aumento na demanda da China, principal cliente do país no setor.

Já o processamento local da oleaginosa no ano que vem foi projetado em 51,47 milhões de toneladas, ante 46,50 milhões de toneladas no ciclo atual.

A cifra é impulsionada pela expectativa de um aumento no percentual da mistura obrigatória de biodiesel ao diesel no país para 14%, contra 13% atualmente.

"Mesmo com um aumento na produção para a safra 2021/22, estima-se que a diferença entre oferta e demanda mundial seja pequena em 2022, o que implica na manutenção da relação estoque/consumo mundial ainda em níveis baixos", acrescentou a Conab em apresentação.

Para o milho, a estatal estimou a safra total 2021/22 do país em 115,96 milhões de toneladas, salto de 33,8% na comparação anual, indicando uma recuperação após a quebra vista neste ano, quando o cultivo sofreu com seca e geadas.

A safra de verão do cereal deve somar 27,2 milhões de toneladas, aumento de 9% no ano a ano, enquanto a chamada "safrinha" --principal do milho no país-- tende a saltar 45%, a 87,3 milhões de toneladas.

A área plantada com o cereal foi projetada em 20,6 milhões de hectares, alta de 3,9% na comparação anual, em estimativa que compreende 15,65 milhões de hectares na segunda safra (avanço de 5,2%) e 4,4 milhões de hectares na primeira --esta, praticamente estável na comparação anual.

Entre os fatores altistas para o milho, a Conab citou o baixo estoque de passagem, a oferta reduzida devido aos problemas climáticos e a valorização dos preços internacionais e do dólar.

No front baixista, por sua vez, a Conab vê incertezas sobre a demanda chinesa por milho e os custos de importação no nível dos preços nacionais.

ALGODÃO

A estatal estimou ainda a safra de algodão (pluma) em 2021/22 em 2,71 milhões de toneladas, alta de 15,8% na comparação anual, diante de um aumento de 13,4% na área de cultivo, que deverá atingir 1,55 milhão de hectares.

A fibra também se beneficiará dos altos preços internacionais e do dólar valorizado frente ao real, segundo a Conab, que ainda projetou as exportações de algodão em 2 milhões de toneladas em 2022, leve queda frente aos 2,1 milhões de toneladas deste ano.

"Cerca de 34% da safra 2021/22... já foi vendida", disse a entidade. "As exportações continuarão aquecidas."

A diminuição nos embarques externos se vê compensada em um aumento no consumo interno, que atingirá 760 mil toneladas no ano que vem, versus 715 mil toneladas em 2021. A Conab vê um "novo crescimento na demanda com a vacinação e controle da pandemia."

(Por Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos