Mercado fechará em 4 h 33 min

Conab vê alta de 8% na safra de soja do Brasil 20/21 após rever área em MG e RS

·2 minuto de leitura
Vista de uma plantação em fazenda de soja em São Desidério, na Bahia.
Vista de uma plantação em fazenda de soja em São Desidério, na Bahia.

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja 2020/21 do Brasil deve ter recorde de 134,95 milhões de toneladas, o que seria um aumento de 8% ante o ciclo anterior, projetou nesta terça-feira a estatal Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) em seu segundo levantamento para a temporada.

A Conab elevou a projeção em 1,2 milhão de toneladas ante a previsão de outubro, considerando um maior plantio do que o esperado principalmente no Rio Grande do Sul e Minas Gerais, onde a área foi revista para cima em cerca de 150 mil hectares em cada Estado, conforme o levantamento mais recente.

Dessa forma, o maior produtor e exportador de soja deve aumentar em 3,5% na área a área plantada em 2020/21 na comparação com o ciclo anterior, para 38,25 milhões de hectares, o maior patamar já visto, em meio a preços recordes.

"Os preços nacionais continuam pressionados pelos preços internacionais na Bolsa de Valores de Chicago (CBOT), prêmios de portos que já ultrapassaram os valores recordes de 2018, o dólar ainda alto e por pouquíssimos produtos disponíveis para entrega imediata", disse a Conab em relatório.

Entre os Estados com maior crescimento anual percentual na área, a Conab aponta o Mato Grosso do Sul (11%), Minas Gerais (7%), Piauí (5,2%), além de Roraima, com uma alta de 20,5% --o Estado, contudo, tem uma das menores área de soja do país, com apenas 60 mil hectares.

A Conab também vê aumento na área em Tocantins (2,1%), Pará (2,6%), além de altas importantes em outros produtores tradicionais, como Mato Grosso (2,8%) e Goiás (4,2%).

A despeito do atraso no plantio pelo tempo seco em vários Estados, a Conab ampliou sua projeção, citando esperada regularização do clima a partir deste mês.

A estatal ainda apontou exportações próximas a 82,7 milhões de toneladas da oleaginosa em 2020 e mais de 85 milhões de toneladas em 2021, em meio a uma "forte demanda chinesa".

No caso do milho, as perspectivas para a safra total foram reduzidas para 104,89 milhões de toneladas, de 105,16 milhões estimados em outubro, devido a um corte no volume esperado para a primeira safra, vista em 26,48 milhões de toneladas, frente a 26,76 milhões de toneladas antes.

A safra 2020/21 do algodão em pluma foi prevista para 2,7 milhões de toneladas, abaixo das 2,8 milhões de toneladas do mês passado, enquanto a produção de trigo deste ano foi projetada em 6,35 milhões de toneladas, de 6,83 milhões de toneladas anteriormente.

(Por Luciano Costa e Roberto Samora)