Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.447,18
    +855,05 (+1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Conab eleva previsão de soja do Brasil a 135,1 mi t e vê aumento na exportação

·2 minuto de leitura
Trabalhador inspeciona grãos de soja em fazenda na cidade de Campos Lindos, TO

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja do Brasil, maior produtor e exportador global da oleaginosa, deve atingir um recorde de 135,1 milhões de toneladas em 2020/21, projetou nesta quinta-feira a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), ao elevar sua estimativa na comparação com a previsão de 133,8 milhões vista em fevereiro, apesar dos prejuízos causados por chuvas excessivas.

A Conab citou novamente o atraso na colheita devido a problemas climáticos, mas ainda assim espera um aumento de 8,2% em relação à temporada passada.

"No atual momento, quando a colheita deveria ocorrer celeremente, dando margem para o plantio da segunda safra de milho ou de outras culturas, e mesmo para o escoamento aos mercados consumidores, as operações no campo são novamente afetadas pela incidência de chuvas, na maior parte dos Estados produtores, retardando a colheita."

A estatal também elevou a previsão de exportações para 86,1 milhões de toneladas, ante 85,6 milhões vistos na projeção anterior, "número fundamentado pela forte demanda chinesa e pelo alto percentual comercializado para a safra 2020/21, que já alcançou o percentual próximo de 65% no final de fevereiro de 2020".

Para o milho, a Conab ajustou para cima sua previsão de uma produção total recorde, com a possibilidade de superar em 5,4% a safra 2019/20 e atingir mais de 108 milhões de toneladas.

O volume histórico do cereal deve-se à participação assim distribuída: 23,5 milhões de toneladas na primeira safra, 82,8 milhões na segunda e 1,8 milhão na terceira safra.

No levantamento anterior, a companhia projetava 105,5 milhões de toneladas para a produção total de milho e 80,08 milhões para a segunda safra.

A Conab disse que o excelente resultado obtido na última temporada, além dos bons preços pagos pelo cereal recentemente influenciaram os produtores a optarem pelo plantio do milho em algum momento do ciclo (seja na primeira, segunda ou terceira safra), gerando uma expectativa de incremento na área semeada, bem como no volume final alcançado.

A previsão de exportações do cereal foi mantida inalterada, em relação ao mês anterior, em 35 milhões de toneladas.

Sobre os cultivos de segunda safra, a Conab ressaltou que a semeadura do algodão tem se intensificado, à medida que avança a colheita de soja, e a estimativa de produção total da pluma segue inalterada em 2,5 milhões de toneladas.

(Por Nayara Figueiredo)