Mercado fechará em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    113.280,78
    -1,89 (-0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.486,22
    +380,51 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,49
    +1,51 (+2,04%)
     
  • OURO

    1.752,60
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.138,38
    -198,20 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.074,36
    -27,16 (-2,47%)
     
  • S&P500

    4.443,41
    -12,07 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.926,40
    +128,40 (+0,37%)
     
  • FTSE

    7.067,72
    +16,24 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.172,75
    -146,00 (-0,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2674
    +0,0118 (+0,19%)
     

Comprovante de vacinação abre portas para retorno à vida normal em Nova York

·2 minuto de leitura

Em frente a um cinema do bairro de Greenwich Village, Thisbe tem seu ingresso em mãos e o cartão de vacinação contra a Covid-19. Desde esta terça-feira, esse certificado abre as portas para muitas atividades em Nova York, onde a pandemia deixou sua marca.

“Eu me sinto mais confortável se todos estiverem vacinados dentro da sala”, diz a estudante, 17. A obrigação de se vacinar ameaça a liberdade? Na entrada do pequeno cinema, Thisbe descarta essa ideia. “É sua decisão não querer se vacinar, mas é uma escolha egoísta”, afirma a jovem.

Restaurantes, museus, salas de shows, boliches, aquários, casas noturnas, piscinas cobertas e academias... Desde hoje, é necessário apresentar um certificado de vacinação, foto ou um passe digital no celular para ter acesso a uma longa lista de atividades em locais fechados.

Da Broadway à Met Opera, os locais culturais de maior prestígio que reabrirão em setembro anunciam claramente: sem vacinação não haverá acesso. As cidades de San Francisco e Nova Orleans tomaram medidas semelhantes.

- 'No terraço' -

Os estabelecimentos de Nova York têm até 13 de setembro para se adaptar, mas as novas regras já são anunciadas em inúmeras vitrines. Elena Batyuk, gerente do café e restaurante Reggio, quer usar esse tempo para fazer pedagogia. "Quero evitar que os clientes se aborreçam ou gritem com a minha equipe. Pedir dados médicos às pessoas, dizer a elas o que fazer não é o meu estilo, mas se é o que nos pedem... Todos serão bem-vindos, mas alguns ficarão no terraço", suspira.

Na cidade de mais de 8 milhões de habitantes, cerca de 75% dos adultos receberam pelo menos uma dose de vacina, segundo a prefeitura, que tenta reativar a vacinação prometendo 100 dólares por primeira dose.

- 'Atingidos primeiro' -

Em seu pequeno bar no Brooklyn, chamado Paul's, Jillian Wowak apoia totalmente a vacinação obrigatória, ansiosa para deixar a pandemia para trás. “Quem não se vacina, sinto que, de alguma forma, está brincando com o meu dinheiro”, diz a gerente, que pede aos clientes que estejam imunizados.

“Aqui não é possível permanecer de máscara comendo e bebendo. Se eu tiver que criar espaços entre os clientes, poderei receber apenas quatro pessoas", ironiza Jillian.

Por toda a cidade, há vitrines vazias, apesar da retomada das atividades na primavera. A maioria dos turistas estrangeiros ainda não voltou e o surgimento da variante delta aumenta o temor de um novo golpe.

"Fomos os primeiros e os mais afetados" na primavera de 2020, lembra a professora de teatro Diane Gnagnarelli, 62. Ela conta que um de seus sobrinhos morava perto de um hospital onde caminhões-frigorífico foram transformados em necrotérios improvisados.

“Aqui vivemos uns em cima dos outros. Então, com a variante delta, somos obrigados a confiar na ciência”, pontua Diane, convencida de que alguma forma de vacinação obrigatória acabará prevalecendo.

arb/dax/dl/gm/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos