Mercado fechará em 6 h 24 min
  • BOVESPA

    109.493,00
    +1.005,12 (+0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,05
    -0,23 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.854,00
    +11,90 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    30.383,95
    +331,45 (+1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,70
    +6,82 (+1,01%)
     
  • S&P500

    3.931,09
    +29,73 (+0,76%)
     
  • DOW JONES

    31.579,85
    +317,95 (+1,02%)
     
  • FTSE

    7.478,57
    +88,59 (+1,20%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.900,25
    +59,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1179
    -0,0349 (-0,68%)
     

Compras globais em redes sociais devem chegar a US$ 1,2 trilhão até 2025

·3 min de leitura

O comércio global via redes sociais deve triplicar de tamanho até 2025: atualmente avaliado em US$ 492 bilhões, pode chegar a US$ 1,2 trilhão. A estimativa é de um estudo da Accenture, que aponta que o crescimento será impulsionado principalmente pelos usuários da geração Z e por Millenials, que vão responder por 62% dos gastos globais no segmento em 2025.

O social commerce engloba toda a experiência de compras do indivíduo nas redes sociais: da descoberta do produto ao check-out. Entre os ouvidos pela Accenture, cerca de 64% fizeram compras dessa natureza em 2021. Isso representa cerca de 2 bilhões de compradores em todo o mundo.

Para Robin Murdoch, líder global de software & platforms industry na Accenture, os dados demonstram que a pandemia mostrou o quanto as pessoas usam as redes sociais como ponto de entrada para tudo que fazem online. "Elas estão mudando a forma como as pessoas compram e vendem, o que abre oportunidades para plataformas e marcas em termos de experiência do usuário e fluxo de receitas".

62% dos gastos globais com compras virão de comércio social (Imagem: Reprodução/Unsplash/John Schnobrich)
62% dos gastos globais com compras virão de comércio social (Imagem: Reprodução/Unsplash/John Schnobrich)

Participaram da online 10.053 usuários de redes sociais no Brasil, na China, nos EUA, na Índia e no Reino Unido. Entre eles, 59% preferem apoiar negócios de pequeno e médio porte do que comprar em grandes sites de e-commerce. Além disso, 63% optam por fazer novas compras com o mesmo vendedor: isso reforça os benefícios do comércio social para a recorrência.

Oliver Wright, diretor e líder da prática global de consumer goods na Accenture, destaca que o comércio social é impulsionado por criatividade e engenhosidade. “Além de empoderar pequenas marcas e indivíduos, faz as grandes empresas repensarem sua relevância."

Criadores, revendedores e marcas terão de levar seus produtos e serviços até o consumidor. Ou seja, precisarão atuar em um ecossistema dinâmico de plataformas, marketplaces, redes sociais e influenciadores. “Será preciso compartilhar dados, insights e capacidades para oferecer os incentivos certos e a melhor experiência ao consumidor."

Regras do comércio social

Metade dos participantes do estudo está preocupada com a falta de clareza nas regras de proteção e reembolso do comércio social. "Há falta de confiança na autenticidade dos vendedores sociais, assim como descontentamento com as políticas de devoluções, reembolsos e trocas", afirma.

O comércio eletrônico enfrentou dificuldades semelhantes quando surgiu. A confiança, então, é a maior barreira para a adoção do comércio social. "Ela só pode ser conquistada com o tempo, mas os vendedores que se concentrarem nessas áreas terão mais chance de aumentar sua participação no mercado."

Consumidores de países em desenvolvimento são mais propensos a usar o comércio social (Imagem: Reprodução/Pexels/Mikhail Nilov)
Consumidores de países em desenvolvimento são mais propensos a usar o comércio social (Imagem: Reprodução/Pexels/Mikhail Nilov)

O levantamento mostra que, até 2025, a maior parte das compras globais em redes sociais deve ocorrer nos setores de vestuário (18%), eletrônicos de uso pessoal (13%) e itens de decoração (7%). Itens de beleza e cuidados pessoais devem representar 40% da média de gastos digitais no comércio eletrônico.

Segundo o estudo, consumidores de países em desenvolvimento são mais propensos a usar o comércio social. Na China, por exemplo, 8 em cada 10 usuários de redes sociais usam o comércio social, enquanto no Reino Unido e nos EUA a maioria dos usuários de redes sociais ainda não usou a opção.

Em países como Brasil, China e Índia, os clientes se importam mais com os recursos que os ajudam a descobrir e avaliar compras. Já no Reino Unido e nos EUA, eles estão mais atentos a preços e descontos.

A confiança é um aspecto mais importante para gerações mais velhas, que valorizam recursos de segurança e a familiaridade da marca. Entre os mais jovens, transmissões ao vivo e opiniões de outros compradores são os aspectos mais importantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos