Mercado abrirá em 9 h 14 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,56
    -0,21 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.859,50
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    32.450,15
    +81,87 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,99
    -20,91 (-3,09%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.722,84
    -436,17 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    28.618,42
    -203,87 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    13.436,75
    -38,75 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7118
    +0,0756 (+1,14%)
     

Compras e La Niña devem sustentar rali de grãos, diz Rabobank

Megan Durisin
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O rali dos grãos e das oleaginosas deve continuar até o próximo ano à medida que a China aumenta as compras e o evento climático La Niña ameaça as safras, de acordo com o Rabobank.

O aumento da demanda de importadores, preocupações de que o clima possa afetar as safras dos principais produtores e compra de especuladores impulsionaram um índice da Bloomberg de preços agrícolas à vista ao maior nível em seis anos neste mês. A demanda chinesa por milho e soja deve subir ainda mais na próxima temporada, e os países continuarão interessados em aumentar os estoques para se protegerem contra a inflação dos alimentos, disse o banco em relatório.

“Os preços do trigo, milho e soja devem permanecer altos e podem subir ainda mais. Os agricultores continuarão a aproveitar as vantagens das condições favoráveis de produção e exportação”, disse Stefan Vogel, responsável por mercados de commodities agrícolas do Rabobank, em comunicado.

A soja pode subir para uma média de US$ 12,40 o bushel no primeiro trimestre, cerca de 4% acima dos preços atuais, disse o banco. Os futuros do milho devem chegar a US$ 4,50 o bushel, e as compras chinesas do grão podem subir para 29 milhões de toneladas em 2021-22 em relação a 24 milhões de toneladas nesta temporada.

Ainda não está claro como as relações comerciais EUA-China mudarão sob a presidência de Joe Biden, disse o Rabobank.

O evento climático La Niña gera preocupação de que a seca possa ameaçar o fornecimento de soja no Brasil e na Argentina, enquanto as áreas de trigo nos EUA também enfrentam falta de chuvas. Do lado da demanda, importadores aumentam as reservas para se protegerem contra a potencial inflação dos alimentos, especialmente com consumidores já atingidos pelas paralisações do coronavírus e economias abaladas, o que restringe ainda mais a oferta.

A queda dos estoques e mais demanda por grãos para ração devem sustentar o milho no próximo ano, embora a demanda da importação de trigo possa cair ligeiramente a partir do segundo trimestre, já que vacinas e atividade econômica mais normal limitariam a reposição de estoques, disse o banco.

A perspectiva do Rabobank para as chamadas soft commodities é mais negativa, pois a demanda sofre um impacto mais forte das restrições da Covid-19. As vendas de cacau podem permanecer fracas pelo menos até o segundo trimestre e, embora o consumo de café deva aumentar, é provável que fique abaixo dos níveis de 2019, disse o banco.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.