Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,49
    +2,06 (+1,90%)
     
  • OURO

    1.807,80
    +6,30 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    20.379,21
    +1.127,17 (+5,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    442,10
    +21,96 (+5,23%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.481,92
    +328,11 (+1,25%)
     
  • NASDAQ

    11.697,75
    +86,50 (+0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5471
    -0,0069 (-0,12%)
     

Comprador de soja brasileira mira EUA após quebra de safra

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Abalados por uma safra menor e mais lenta do que o esperado no Brasil, compradores de soja estão buscando produto nos EUA, elevando os preços e ameaçando agravar a inflação.

A expectativa de safra recorde no Brasil azedou e agora o cenário aponta para um volume muito menor, com menor produtividade e atrasos na colheita devido a condições meteorológicas adversas. A incerteza direcionou os compradores para o mercado dos EUA. Mais de 110 navios foram afretados em caráter preliminar para carregamento de oleaginosas em portos no noroeste do Pacífico, de acordo com Bill Tierney, economista-chefe da AgResource em Chicago.

A pressa por parte de negociadores do mercado físico e de agentes financeiros elevou os contratos futuros em Chicago em 30% desde o início de novembro para o maior nível em oito meses. A diferença entre os contratos de julho e novembro disparou e esse prêmio ficou oito vezes maior. A demanda por produto para entrega imediata elevou os preços à vista nos silos no Meio-Oeste dos EUA, que saem a prêmios sobre os contratos futuros. As vendas para exportação saltaram para quase 2 milhões de toneladas na semana passada, superando a maior das estimativas dos analistas.

O impacto do maior custo da soja deve se espalhar pelas cadeias de alimentos em um momento em que os preços globais estão perto do recorde. A alta da cotação da soja encarece a ração que alimenta rebanhos bovinos, suínos e aves. A situação também ameaça elevar o custo do óleo de cozinha, que já é puxado pelo patamar recorde de preços do óleo de palma e de canola.

“A quebra da safra na América do Sul joga uma responsabilidade grande para os EUA, que terá de aumentar área e produzir bem. Senão, a oferta global vai cair mais e os preços ficarão firmes por mais tempo”, afirmou Etore Baroni, analista da StoneX no Brasil, durante um webinar na quinta-feira.

Essa não era a situação esperada. Empresas chinesas e outros compradores costumam buscar produto na América do Sul no primeiro trimestre do ano, já que a colheita normalmente começa no início de janeiro e os novos carregamentos chegam aos portos semanas depois. Há poucos meses, tudo indicava que a safra seria abundante — cerca de 145 milhões de toneladas no Brasil, 50 milhões na Argentina e 10 milhões no Paraguai.

O plantio ocorreu dentro da janela ideal. Mas depois o fenômeno La Niña trouxe temperaturas elevadas e seca para importantes regiões produtoras no Sul do Brasil e na Argentina, prejudicando as lavouras. A previsão é de mais seca adiante, segundo a firma de meteorologia Maxar.

Brasil, Argentina e Paraguai exportarão aproximadamente 20 milhões de toneladas a menos do que o projetado em dezembro, segundo analistas. Margens de processamento robustas manterão a demanda por soja aquecida no Brasil, com as indústrias locais competindo com compradores estrangeiros, segundo Baroni.

A urgência da demanda se reflete no avanço dos prêmios e preços físicos em grandes mercados, como Santos e Nova Orleans. Sojicultores do Brasil estão recebendo ofertas de compra a preço recorde e os navios estão fazendo fila nos principais terminais de exportação, enquanto negociantes disputam produto para carregar navios com destino à China e outros mercados.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos