Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,80
    +0,89 (+1,98%)
     
  • OURO

    1.804,10
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    18.969,35
    -71,49 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,70
    +4,18 (+1,13%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.173,50
    +97,50 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3363
    -0,0606 (-0,95%)
     

Companhias aéreas precisarão entre US$ 70 bi e US$ 80 bi adicionais de ajuda

·2 minuto de leitura
A IATA se reúne a partir de segunda-feira para a assembleia geral anual da organização, que reúne 290 companhias aéreas de todo o mundo
A IATA se reúne a partir de segunda-feira para a assembleia geral anual da organização, que reúne 290 companhias aéreas de todo o mundo

As companhias aéreas precisarão entre 70 e 80 bilhões de dólares em ajuda adicional dos governos para sobreviver à crise da covid-19, que está esgotando sua renda, afirmou Alexandre de Juniac, diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), ao jornal francês La Tribune.

O setor já recebeu 160 bilhões de dólares em ajudas dos governos, mas "para os próximos meses, as necessidades da indústria estão estimadas entre 70 e 80 bilhões de dólares em ajudas adicionais.

"Caso contrário, as empresas não sobreviverão", disse De Juniac em uma entrevista coincidindo com o Fórum Aéreo de Paris, uma reunião dedicada ao transporte aéreo.

"Quanto mais durar a crise, maior será o risco de falências", disse De Juniac. "Quase 40" empresas estão "em dificuldades muito grandes ou em processo de recuperação ou falência".

Desde o início da crise do coronavírus, que paralisou quase toda a frota mundial durante várias semanas no começo do ano, os governos têm oferecido ajuda às empresas em diversas formas (empréstimos, ajuda direta, ajuda para manter os empregos).

No entanto, com a segunda onda de coronavírus, o tráfego não conseguiu se reativar e as empresas continuarão registrando perdas.

É provável que este ano se aproximem "dos 100 bilhões, em vez dos 87 bilhões anunciados anteriormente", segundo De Juniac.

Sobre as possíveis fusões no setor, o chefe da IATA afirmou que isso exigiria "que as empresas tenham os meios para se comprarem mutuamente", em um momento em que estão "em modo de sobrevivência".

Entretanto, a longo prazo, considera "provável" que haja "menos atores, devido às falências, e que esses atores sejam um pouco menores, porque serão obrigados a vender uma grande parte de sua frota ou a fechar rotas, ou ter horários de voo mais limitados".

A IATA se reúne a partir de segunda-feira para a assembleia geral anual da organização, que reúne 290 companhias aéreas de todo o mundo.

sw/soe/pc/eg/aa