Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.437,94
    +25,36 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Companhias aéreas esperam recuperar este ano 83% dos passageiros de 2019 e rentabilidade em 2023

Um retorno à rentabilidade está "ao alcance" em 2023 para as companhias aéreas, que esperam recuperar este ano 83% dos passageiros de antes da pandemia de covid-19, anunciou nesta segunda-feira (20) a Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA).

O setor ainda deve perder 9,7 bilhões de dólares em 2022, de acordo com as previsões, mas isto representará um "enorme avanço" em relação aos 137,7 bilhões de dólares de perdas em 2020 e aos US$ 42,1 bilhões de 2021, segundo a IATA, que representa a grande maioria das companhias aéreas do mundo e que celebra sua assembleia geral anual em Doha.

"A rentabilidade do setor em 2023 parece estar ao alcance, enquanto (as companhias) na América do Norte devem registrar lucro de US$ 8,8 bilhões a partir de 2022", afirma a IATA em um comunicado.

Além disso, "a forte demanda latente, o fim das restrições de movimento na maioria dos mercados, o baixo desemprego na maioria dos países e as economias dos indivíduos alimentam uma recuperação que terá como consequência que o número de passageiros alcance 83% do anterior à pandemia este ano", destacou a organização.

A crise de saúde, com efeitos sentidos a partir de março de 2020, afetou o setor aéreo, que perdeu 60% dos clientes no ano. Em 2021, o número de passageiros registrou recuperação de apenas 50% em relação aos 4,5 bilhões de passageiros de 2019.

tq/aem/hj/mis/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos