Mercado fechado

Companhias aéreas americanas anunciam redução drástica no número de voos

Avião da American Airlines estaciona no Aeroporto Internacional de Miami, na Flórida

As companhias aéreas americanas anunciaram reduções drásticas em seus planos de voo a partir da próxima segunda-feira (15), em resposta à proibição da entrada dos viajantes vindos da Europa nos Estados Unidos, que será ampliada na segunda também para o Reino Unido e Irlanda.

A American Airlines planeja reduzir o seu número de voos internacionais em 75% em relação ao mesmo período no último ano.

"Essas suspensões durarão até 6 de maio" e são "uma resposta à diminuição da demanda e as restrições de transporte ordenadas pelo governo dos Estados Unidos por causa do novo coronavírus", disse a companhia aérea.

A American Airlines também reduzirá o número de voos nacionais nos EUA em cerca de 20% em abril e em 30% em maio.

A concorrente, Delta Airlines, informou neste domingo em seu site que o seu plano de voo está em processo de adaptação em relação à medida do governo americano.

A companhia anunciou anteriormente que apenas mantém poucos voos transatlânticos diariamente.

O presidente americano, Donald Trump, suspendeu por 30 dias a entrada nos EUA de viajantes estrangeiros que tenham estado nos últimos 14 dias em um dos 26 países europeus que compõem o Espaço Schegen.

A proibição entrou em vigor no último sábado, às 03H59 GMT. A medida não é válida para os cidadãos americanos.