Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,82
    -0,42 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.739,70
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    16.190,59
    -244,03 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,67
    -0,62 (-0,16%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    27.988,93
    -173,90 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    11.628,00
    +11,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5460
    -0,0032 (-0,06%)
     

Azul é condenada a pagar R$ 5 mil por humilhar sacerdote obeso

Imagem da área interna de um avião
Testemunha revelou que passageiros riram da situação e vítima ficou "com cara de choro"

(Getty Creative)
  • A Azul Linhas Aéreas deverá pagar R$ 5 mil mais taxa de R$ 30 a sacerdote humilhado em voo

  • Situação aconteceu após o passageiro obeso não conseguir prender o cinto de segurança

  • De acordo com a juíza, houve exposição desnecessária da vítima

A Azul Linhas Aéreas foi condenada a pagar R$ 5 mil a um sacerdote obeso como forma de indenizá-lo por danos morais durante um voo. O caso teria acontecido após o passageiro ser humilhado por não conseguir prender o cinto de segurança.

Conforme informou o jornalista Rogério Gentile, da Folha de S. Paulo, o sacerdote C.N.R.J., de 41 anos, embarcou no aeroporto de Guarulhos (SP) com destino à Bahia e pagou uma taxa de R$ 30 para sentar-se em um banco mais largo.

Leia também:

O problema é que, ao solicitar ajuda dos comissários de bordo, foi tratado de forma grosseira, chegando a ouvir – conforme apontou uma testemunha – que a barriga dele “era muito grande”. A pessoa em questão ainda revelou que alguns passageiros riram e que o sacerdote “ficou muito desconfortável com a situação, estando até com cara de choro.”

De acordo com Felipe Coutinho Raimundo, advogado de C.N.R.J, “o funcionário da empresa passou a falar em voz alta, perguntando quem poderia trocar de lugar com o sacerdote, ou seja, deixando-o em exposição vexatória”, afirmou à Justiça.

A Azul se defendeu, alegando que não havia como comprovar os fatos para além de um “relato dramatizado” por parte da vítima, mas a juíza Daniela Guiguet Leal não aceitou o argumento. Ela apontou que “houve uma exposição desnecessária” e condenou a companhia aérea a pagar, além dos R$ 5 mil, a taxa extra de R$ 30 referente ao assento especial. O valor corresponde à metade exigida pela vítima.

Caso queira, a Azul ainda pode recorrer da decisão.