Mercado fechará em 1 h 26 min
  • BOVESPA

    129.780,59
    +339,56 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.271,14
    -15,32 (-0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,79
    -0,12 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.865,10
    -14,50 (-0,77%)
     
  • BTC-USD

    40.020,29
    +2.533,17 (+6,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,85
    +31,01 (+3,20%)
     
  • S&P500

    4.235,68
    -11,76 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.228,48
    -251,12 (-0,73%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.066,75
    +72,50 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1521
    -0,0405 (-0,65%)
     

Como usar o IFTTT para automatizar tarefas

·4 minuto de leitura
Como usar o IFTTT para automatizar tarefas
Como usar o IFTTT para automatizar tarefas

Se você andou pesquisando por ecossistemas e tarefas automatizadas por aí deve ter esbarrado, em algum momento, no IFTTT. Essa sigla estranha, significa a possibilidade de conectar serviços semanticamente — ou seja, de “maneira inteligente”, e colocar a gente a um passo mais próximo do futuro. Mas será que o IFTTT é isso tudo mesmo? IFTTT é a sigla para “If This, Then That,” ou, “Se Isto, Então Aquilo”.

Separamos um guia para ajudar você a entender como funciona o IFTTT e que potenciais essa ferramenta pode trazer para o seu cotidiano digital. Confira:

IFTTT significa praticidade e automação

O princípio, uma cadeia lógica de consequência utilizada na programação, aqui representa uma série de automatizações de tarefas entre aplicativos ou dispositivos — que normalmente não são capazes de fazê-los sozinhos. O “Isto” e o “Aquilo” são o gatilho e a ação, as partes personalizáveis das tarefas.

Os desenvolvidores do IFTTT chamam os apps e dispositivos integráveis de “serviços” e as automatizações, de applets. A empresa alega ter mais de 650 serviços compatíveis (que podem ser conferidos aqui), e atualiza a lista recorrentemente. O integrador está disponível para Android e iOS.

Aposta num futuro conectado
Sequência de telas do app do IFTTT
Sequência de telas do app do IFTTT

Imagem: Divulgação/IFTTT

O que é mais interessante da proposta do IFTTT é que o app cria pontes em um mundo de concorrências. Adorou aquela música do YouTube e quer salvar ela no Spotify? O programa faz. Quer que a Siri crie eventos diretamente na Agenda do Google porque sua equipe de trabalho usa os apps da Alphabet? O programa também faz. Quer programar as luzes da sua smart home para acender sozinhas? O programa faz. E por aí vai.

Os desenvolvedores do IFTTT disponibilizam diversas macros para os mais diversos apps, desde serviços sem autenticação — horário, previsão do tempo e por aí vai — até outros com login necessário, como redes sociais. Ao integrar as tarefas, o usuário consegue ver exatamente quais dados estão sendo compartilhados com a empresa.

Como criar um applet com o IFTTT
IFTTT
IFTTT

O primeiro passo é conectar os serviços ao app do IFTTT, fazendo login neles, se necessário. Uma vez conectado, o programa começará a exibir Applets já programados anteriormente, bem como sugestões no campo “Explore”. Mas se o comando que você quer não está disponível, você pode criá-lo por conta própria.

Para isso, vá até à aba “Create” no menu principal, ou clique na opção ao topo de qualquer uma das páginas. Aparecerão dois campos, o primeiro determinando a condicional e o segundo, a ação.

Para fins de exemplo, suponhamos que você quer acrescentar no calendário toda vez que você publicou uma foto no seu perfil do Instagram. Você clica no “This” (“Isto”) e seleciona o Instagram. Lá dentro, aparecerão as variáveis possíveis no app — selecione “qualquer foto postada por você”. Feito isso, é só clicar no “That” (“Aquilo”), selecionar a Agenda, e então a tarefa de “criar evento rápido”. Para finalizar, nomeie o applet e pronto. Ele já estará disponível para ser ativado e desativado a hora que você achar necessário.

O IFTTT permite a criação de até três applets gratuitos — embora a adesão a outras criadas por outras pessoas ou empresas é ilimitada. Usuários que quiserem personalizar mais macros terão de assinar o IFTTT PRO, que permite a criação de applets infinitos com mais de uma variável, para tarefas realmente específicas.

Serviço monetiza sobre integração de empresas

O IFTTT de longe não é o primeiro a automatizar tarefas entre dois apps não nativos automaticamente. Suítes como o Flow, da Microsoft, ou o Zapier já ofereciam aos usuários a possibilidade de conectar “serviços”. Entretanto, é agora com a popularização das smart homes e da internet das coisas que o utilitário ganhou força.

Além do plano PRO, a empresa monetiza especialmente com a cobrança de serviços para empresas. Isso porque o IFTTT fornece APIs que reduzem o custo de desenvolvimento, com dados que analisam quais os apps mais conectados. Pacotes mais avançados para empresas coletam mais dados e oferecem insights de como os desenvolvedores podem aprimorar seus serviços.

Vale a pena sincronizar tudo?

Enquanto a criação de um ecossistema totalmente automático e integrado parece colocar a gente a um passo do futuro, é preciso tomar cuidado. Um relatório da Federal Trade Comission determinou, em 2017, que cerca de 50% dos 19,000 applets analisados eram potencialmente inseguros, já que possuíam violações de privacidade, integridade ou ambos. Uma pesquisa da USENIX ano passado revelou ainda que 20% dos applets com acessos a ecossistemas integrados precisavam de apenas um dispositivo para monitorar todos os outros presentes sem autorização.

De fato, para funcionar, o IFTTT pede autorização de acesso completa para utilizar um app, e embora a empresa possua políticas de privacidade bem redondas, o risco está no uso desatento. A empresa promete não fornecer dados pessoais (a menos em casos estritamente necessários, como transações financeiras. Como sempre recomendamos, é importante notar quais acessos você está concedendo ao aplicativo, e se a automatização não termina expondo demais a sua vida — e a dos outros.

Imagem: RossHellen/iStock