Mercado fechará em 52 mins
  • BOVESPA

    110.330,01
    -3.253,00 (-2,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.992,07
    -606,46 (-1,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,03
    -0,42 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.734,70
    -17,30 (-0,99%)
     
  • BTC-USD

    41.637,67
    -1.348,67 (-3,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.027,11
    -30,04 (-2,84%)
     
  • S&P500

    4.380,29
    -62,82 (-1,41%)
     
  • DOW JONES

    34.506,85
    -362,52 (-1,04%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.847,50
    -347,25 (-2,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3378
    +0,0310 (+0,49%)
     

Como Tony Hawk usou a cultura pop para desmarginalizar o skate e transformá-lo em marca bilionária

·4 minuto de leitura

É inevitável. Fã de skate ou não, você provavelmente já ouvi o nome "Tony Hawk". Quem associa o nome à pessoa, pensa no skatista chocando o mundo ao completar um giro de 900º no X-Games ou no jogo de videogame que vendeu milhões de cópias. Hoje aos 53 anos, a lenda norte-americana teve sucesso na sua missão de embaixador do esporte e pode se gabar: se veremos o Park nos Jogos Olímpicos, muito é por causa da entrada na cultura pop nos anos 2000.

O astro foi o responsável por fazer o skate ter uma nova identidade. Nascido nas ruas dos Estados Unidos graças a surfistas buscando o que fazer quando as ondas estavam calmas, o skate tinha uma imagem marginalizada. O talento esportivo aliado a visão empresárial do Tony fez com que o esporte fosse aceito, tornando-se multibilionário. Até mesmo na cultura pop, virou algo descolado. E a internacionalização atende pelo nome do skatista mais conhecido do mundo.

— O Tony Hawk é a inspiração, é a melhor forma do skatista passar uma boa visão é ser inspiração. Ele é uma inspiração. Se há um Kelvin hoje, foi porque houve em Tony, um Bob Burnquist, um Sandro Dias. O Tony foi o cara para a gente ali, já inspirava. Só dele estar lá, a presença dele, é tudo — conta Helvin Hoefler, medalhista de prata pelo Brasil em Tóquio.

Tony já era o número 1 do mundo e multicampeão nos X Games quando aceitou uma parceria com a empresa Activision para criar um jogo de videogame. A primeira versão de "Tony Hawk's Pro Skater" foi lançada em 1999 e já rendeu mais de US$ 1,4 bilhão em vendas (R$ 5,7 bilhões) em vendas, incluindo as suas atualizações e sucessores. A versão mais recente, inclusive, conta com os brasileiros Bob Burnquist e Letícia Bufoni entre os personagens.

— Tony Hawk é um ícone. Ele foi o primeiro skatista a acertar um 900º em um X-Games e ficou muito conhecido por esse feito. Logo nesse período, ele lançou o primeiro jogo de videogame e que acabou se tornando febre. Eu mesma antes de andar de skate já tinha jogado o "Tony Hawk". Jogos de videogame acabam atingindo muitas crianças e adolescentes então a propagação é mais rápida, a galera gosta. — comenta Bia Sodré, skatista profissional e colunista do GLOBO.

Seu sucesso comercial foi tão grande que fez com que ele fosse chamado para protagonizar diversas campanhas publicitárias e estrelasse filmes em que interpretou a si mesmo, como em 'Loucademia de Polícia 4 - O cidadão se defende' (1987). Tony também tornou-se personagem do desenho "Os Simpsons" e a sua autobiografia "HAWK-Occupation: Skateboarder" foi um best-seller do New York Times.

— Eu comecei no skate profissional quando tinha 14 anos. Não era lucrativo na época, mas para um menino de 14 anos, ganhar US$ 150 dólares em uma competição era muita coisa. Eu basicamente guardei tudo que ganhei até fazer 16 anos e eu tinha o suficiente para comprar uma moto. Para mim, isso era como ser um quase adulto — conta Hawk, à Reuters.

Até mesmo as redes sociais do norte-americano são uma bomba de audiência. Por sinal, ele foi o responsável por viralizar o vídeo de Rayssa Leal, ainda com sete anos, que rendeu o apelido de "Fadinha", quando ela fazia manobras com seu skate em Imperatriz, no sul do Maranhão.

O simbolismo de Tony é tão grande que ele fundou a Fundação Tony Hawk, que construiu mais de 550 pistas de skate em áreas de baixa renda nos Estados Unidos. Em fevereiro de 2014, a fundação concedeu US$ 100 mil a Skateistan, empreendimento não governamental voltado ao skate, localizado no Afeganistão, no Camboja e na África do Sul. Atualmente, Tony Hawk leva vida como investidor e filantropo fora das pistas.

— Eu investi na Nest no começo (a fabricante de termostato ativado pela internet foi adquirida pelo Google por 3,2 bilhões em 2014). Eu investi na Blue Bottle Coffee e em uma cervejaria em San Diego chamada Black Plague. Também na DocuSign e em outras companhias de tecnologia. Eu gosto de startups porque eu gosto de estar na base das coisas, quando o meu apoio importa — conta Tony Hawk.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos