Mercado abrirá em 9 h 14 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,31
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.812,70
    -9,50 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    38.626,79
    -1.152,18 (-2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    941,33
    -19,57 (-2,04%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.042,25
    -193,55 (-0,74%)
     
  • NIKKEI

    27.559,26
    -221,76 (-0,80%)
     
  • NASDAQ

    14.968,50
    +15,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1185
    -0,0256 (-0,42%)
     

Como a tecnologia está ajudado o setor da saúde durante a pandemia

·3 minuto de leitura
Como a tecnologia está ajudado o setor da saúde durante a pandemia
Como a tecnologia está ajudado o setor da saúde durante a pandemia

A pandemia impactou vários segmentos da sociedade e é possível validar essas transformações no setor da saúde e medicina, um dos mais afetados. Por exemplo, a lei que regulariza a telemedicina foi sancionada em abril de 2020 e com isso, possibilitou o atendimento médico por meio das consultas virtuais.

Portanto, os dispositivos móveis se tornaram ainda mais relevantes para estabelecer ligações entre os serviços e a população, oferecendo mais proximidade entre médico e paciente. Sem contar que os smartphones representam uma das ferramentas que mais auxiliam a prática telemedicina, já que 58% dos brasileiros acessam a internet exclusivamente pelo celular, de acordo com pesquisa da TIC Domicílios.

A tecnologia móvel proporciona aos médicos acesso às informações de saúde dos pacientes para realizar o acompanhamento em tempo real dos sinais vitais e dos resultados laboratoriais. Com relação às operadoras de saúde, existem hoje aplicativos integrados aos sistemas de gestão que possibilitam que as instituições de saúde ampliem a integração com os pacientes, proporcionando uma experiência melhor.

Essas tecnologias permitem consultar toda a rede credenciada, realizar check-in, agendamento de consultas e exames, telemedicina e até mesmo alertas para o médico, oferecendo aos pacientes mais comodidade e proximidade com as operadoras de saúde.

Do lado do paciente, por meio dos dispositivos móveis, ele ganha agilidade no tratamento e na troca de comunicação com o médico. Além disso, o mobile permite acesso a vários aplicativos de saúde, não necessariamente medicamentosos. Para pacientes com diabetes, por exemplo, aplicativos de controle de glicemia facilitaram a rotina.

“A facilidade na comunicação entre pacientes, médicos, prestadores e operadoras é o grande benefício gerado pela utilização de aplicativos, resultando em benefícios para todos os envolvidos e etapas do sistema de saúde”, contou Daniel Camillo Rocha, Diretor Executivo de Saúde da Digisystem.

telemedicina
telemedicina

Segurança de dados

Mas, com tantos aplicativos de saúde disponíveis no mercado, como fica a questão da segurança de dados? Para garantir que o aplicativo é de fato seguro, é necessário verificar se o mesmo segue as diretrizes da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e se todos os dados armazenados estão criptografados.

“No processo de transformação digital é essencial a utilização das melhores práticas e ferramentas da segurança da informação e na construção de nossos produtos aplicamos os principais conceitos praticados no mercado como criptografia, autenticação, whitList e outros”, esclareceu Rocha.

Vale ressaltar que a área da saúde reúne muitos dados sensíveis, uma vez que, a partir do momento em que o paciente envia o resultado de um exame ao médico, torna-se um dado sensível. Neste sentido, as organizações de saúde devem investir em provedores tecnológicos que realmente se comprometam com o desenvolvimento de soluções inovadoras para proteger seus sistemas.

Leia mais:

Desafios do mercado

Apesar dos avanços no desenvolvimento de tecnologias e aplicativos de saúde, ainda existem entraves que impedem que esses serviços alcancem toda a população. Segundo Rocha, a dificuldade em ter uma conexão de qualidade é uma realidade principalmente para as pessoas de baixa renda.

Por isso, o primeiro desafio é a disponibilidade tecnológica, uma vez que algumas regiões do Brasil ainda enfrentam problemas com conectividade e baixa qualidade na conexão. “Para atingir esse grupo conseguimos disponibilizar funcionalidades que consigam trabalhar de forma off-line, assim quando o paciente estiver em uma unidade de saúde ele irá conseguir realizar a sincronização das informações”, pontuou.

Outro ponto crítico é o investimento por parte das instituições de saúde, que devem apostar na interoperabilidade com o objetivo de realizar toda a integração de dados entre médicos, laboratórios e as plataformas.

Os serviços de saúde via dispositivos móveis tendem a conquistar o mercado, uma vez que proporcionam mais agilidade e qualidade no atendimento hospitalar, especialmente em tempos de pandemia e distanciamento social. Por outro lado, não se exclui a necessidade de investir em um atendimento humanizado, atentar-se à LGPD e realizar investimentos para aprimorar e expandir cada vez mais esse serviço na área da saúde.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos