Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.407,81
    +229,35 (+1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Viagens nacionais e cias aéreas mais flexíveis: o viajante após a pandemia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

O setor aéreo e de turismo foram os mais afetados pela crise causada pela pandemia do coronavírus. Com o fechamento de fronteiras e as medidas de distanciamento social, o número de viagens caiu muito. De acordo com a consultoria Bain & Company, as empresas sofrerão os impactos negativos da crise pelo menos até o fim de 2023.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

“Ano passado, batemos a marca de 100 milhões de passageiros voando no Brasil. Provavelmente só vamos alcançar essa marca novamente daqui dois, três anos. Nós entramos nessa crise saudáveis, com a operação crescendo e esperávamos que esse ano seria ótimo. Entramos com pedido de recuperação judicial nos EUA para nos dar garantia de continuar operando enquanto negociamos”, explicou o presidente da Latam Airlines, Jerome Cadier durante painel na Expert XP 2020, nesta terça-feira (14).

Leia também

Desesperados para viajar

Para Lala, atualmente o principal temor dos brasileiros é entrar em um avião e, por isso, a tendência é buscar por viagens de carro. “Há um medo em ficar no espaço fechado com muitas pessoas. Por isso, a tendência é que a retomada aconteça com viagens menores e de carro”, explica.

Na opinião de Freire, se o ritmo de abertura se manter é provável que a partir de setembro as pessoas já retomem as viagens. “É uma fisioterapia social. Algumas cidades estão começando a sair agora e aí teremos que reaprender a ir em um restaurante, para a praia e quando todos estiverem confortáveis, vão pensar em viajar novamente”, afirma.

No entanto, Lala reitera que as pessoas seguem loucas para poder viajar. “Fiz uma pesquisa com os meus seguidores e muitos falaram da preferência por aluguel de casas e apartamentos, para garantir o isolamento na viagem, ou até em buscar hotéis de rede na esperança de um protocolo de higiene e maior segurança. As pessoas também destacaram que buscarão destinos com espaços mais abertos, mais natureza e menos aglomeração”, diz.

Quando e como as viagens serão retomadas?

A pergunta que não quer calar também foi abordada na ocasião e o que todos concordam é que a retomada terá início nos destinos nacionais. Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), a demanda por passagens aéreas caiu 91,3% em maio, em relação ao mesmo mês em 2019. O tráfego doméstico caiu menos, mas significativo: queda de 79,2% no mesmo intervalo de comparação.

“Como os países estão abrindo e fechando isso traz mais insegurança para as pessoas que querem viajar para fora. Afinal, elas podem ir para um destino e depois não conseguir retornar ao país de origem. A viagem doméstica vai se recuperar mais rápido”, disse o presidente da Latam.

O novo passageiro de viagens aéreas

Segundo Cadier, o perfil dos passageiros também mudou por conta da crise. “Hoje, 70% dos passageiros que voam para destinos domésticos compraram a passagem 15 dias antes do embarque. Antes, o percentual era de 30%. Ninguém está pensando em voar daqui a seis meses.”

Por isso, as empresas têm adotado flexibilizações, como remarcação sem multas e diferença tarifária. “As próprias cias aéreas também querem que os passageiros voltem a voar. Portanto, quem não se adaptar oferecendo esse tipo de serviço, mudando política, estrutura e precificação, não vai sobreviver”, disse.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos