Mercado abrirá em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,80
    -0,61 (-0,68%)
     
  • OURO

    1.795,10
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    24.011,84
    -193,81 (-0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,23
    -21,53 (-3,64%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    19.798,04
    -242,82 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.643,75
    -37,50 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1758
    -0,0027 (-0,05%)
     

Como ser um astronauta?

Muitas crianças sonham em ser astronautas, sonho que às vezes persiste na vida adulta, transformando-se em paixão pela astronomia. Mas será que é realmente tão difícil ter a oportunidade de receber o treinamento para viajar ao espaço? Afinal, o que é preciso para ser um astronauta?

Para os nascidos no Brasil, ou em outros países da América Latina, África ou no Oriente médio, é muito difícil conseguir uma vaga nas turmas de treinamento nos EUA e na Europa. Mas não é impossível — já aconteceu com um brasileiro, quando o ex-ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Marcos Pontes, foi ao espaço em 2005.

Como ser um astronauta?

Astronautas da missão Apollo 16 (Imagem: Reprodução/NASA)
Astronautas da missão Apollo 16 (Imagem: Reprodução/NASA)

Existem quatro principais agências espaciais que fornecem vagas para candidatos a astronautas: NASA, ESA (Agência Espacial Europeia), Roscosmos (Corporação Estatal de Atividades Espaciais Russa) e a CNSA (Administração Espacial Nacional da China). A ESA e a Roscosmos trabalham em parceria com países da União Europeia.

Cada uma delas tem suas listas de exigências, e isso inclui cidadania nos seus respectivos países. A boa notícia é que é possível adquirir a cidadania em alguma das nações (vide a lista nos tópicos abaixo) abraçadas por essas agências. A má notícia é que isso não é algo simples de fazer.

Também há outras exigências, que podem ser ainda um pouco mais complicadas do que conseguir a cidadania de algum país europeu ou nos EUA. Elas incluem formação superior e um mestrado — no mínimo — em Ciências, Tecnologia, Engenharia ou Matemática. Outra via é ter um diploma como piloto ou engenheiro de teste.

Além disso, os candidatos serão selecionados e devem treinar em uma espécie de “escola” de astronautas. Só após a aprovação nesse período eles estarão na lista dos elegíveis para futuras missões no espaço.

Como ser astronauta da NASA?

Astronautas realizam caminhada espacial na ISS (Imagem: Reprodução/cookelma/Envato)
Astronautas realizam caminhada espacial na ISS (Imagem: Reprodução/cookelma/Envato)

Os requisitos da NASA mudaram desde o início de suas atividades, de acordo com os objetivos e missões da agência espacial. Hoje, os candidatos devem atender a qualificações bem específicas, porém com algumas possibilidades a mais em comparação à década de 1960.

Um exemplo é a abertura de vagas para os graduados em STEM (engenharia, ciências biológicas, físicas, da computação ou matemática). Isso porque, atualmente, as missões espaciais têm como destino a ISS, onde são realizados experimentos científicos e manutenção de equipamentos.

Os principais requisitos são:

  • Ser um cidadão dos EUA;

  • Possuir um mestrado em um campo STEM de uma instituição credenciada ou passar por um programa de escola de piloto de teste reconhecido nacionalmente (pelos EUA);

  • Ter pelo menos dois anos de experiência profissional relacionada à pós graduação ou pelo menos 1.000 horas de tempo de piloto em comando em aeronaves a jato;

  • Passar no teste físico de voo de longa duração da NASA;

  • Ter habilidades de liderança, trabalho em equipe e comunicação.

Entre os qualificados, apenas um pequeno grupo dos candidatos é selecionado para entrevistas no Johnson Space Center da NASA em Houston, Texas. Então, cerca de metade é convidada a voltar para uma segunda entrevista. Desse grupo, os novos candidatos a astronauta da NASA são selecionados.

Os eleitos se tornam "Candidatos a Astronauta" (ASCan, Astronaut Candidate), e recebem treinamento de cerca de dois anos. Isso inclui treinamento de sobrevivência militar na água e qualificação em mergulho — necessário para treinamento de caminhadas espaciais.

Também são realizados treinamentos nos sistemas da ISS, robótica, idioma russo (devido à colaboração com os cosmonautas na estação espacial) e treinamento para voos de aeronaves. No fim do processo, os novos astronautas estão prontos para ser designados a missões espaciais ou a funções técnicas, como suporte a missões em andamento.

Como ser astronauta da ESA?

Cosmonauta realiza manutenção em componentes da ISS (Imagem: Reprodução/NASA)
Cosmonauta realiza manutenção em componentes da ISS (Imagem: Reprodução/NASA)

Para se candidatar na Agência Espacial Europeia os requisitos são bem parecidos — mas o mesmo não é verdade quanto ao treinamento. É preciso:

  • Cidadania de um país membro da ESA ou membro associado;

  • Pelo menos um mestrado em ciências naturais, medicina, engenharia, matemática ou ciências da computação, ou um diploma como piloto de teste experimental e/ou engenheiro de teste;

  • Pelo menos três anos de experiência profissional relevante após a graduação;

  • Fluência em inglês;

  • Conhecimento de outra língua estrangeira, como Russo; qualquer outra língua adicional é uma vantagem, já que a ESA tem astronautas de vários países;

  • Disposição para participar de experimentos de ciências da vida;

  • Um certificado médico de classe 2 emitido por um examinador médico da aviação comprovando que é medicamente qualificado para uma licença de piloto privado.

Interessante notar que há vagas para astronautas portadores de deficiência, que a ESA chama de "parastronautas". Para se candidatar, deve ser apresentado um atestado médico padrão e uma ficha médica com detalhes da deficiência. Essas vagas são abertas para pessoas com:

  • Deficiência de membro inferior (deficiência de um ou dois pés através do tornozelo; deficiência de perna única ou dupla abaixo do joelho);

  • Diferença no comprimento das pernas (membros encurtados no nascimento ou como resultado de trauma);

  • Baixa estatura (menos que 130 cm)

Podem se candidatar às vagas da ESA cidadãos de seus 22 Estados-Membros: Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido.

Também estão inclusos países que fazem parte do Conselho da ESA, membros associados e estados com acordos de cooperação: Canadá, Eslovênia, a Letônia, Lituânia, Bulgária, Croácia, Chipre, Malta e Eslováquia.

Astronauta Thomas Pesquet da ESA (Imagem: Reprodução/ESA)
Astronauta Thomas Pesquet da ESA (Imagem: Reprodução/ESA)

O processo seletivo dos que atenderem aos requisitos é composto por três etapas. A primeira delas é o treinamento básico de um ano realizado no European Astronaut Centre (EAC), na Alemanha. Inclui introdução ao programa espacial da ESA e de outras agências espaciais e sobre sistemas da ISS.

Os candidatos aprendem sobre os veículos, desenvolvem habilidades básicas para cumprir as tarefas da ISS, estudam russo, aprendem técnicas de sobrevivência e muito mais. A segunda fase é de pré-designação, onde os candidatos aprendem as habilidades com maior profundidade, como manutenção dos módulos da ISS.

Por fim, ao ser designado a uma missão, o astronauta começa o último treinamento para as tarefas específicas que receberá, a serem executadas na estação espacial. Isso inclui conhecimentos científicos, treinamento para manutenções e consertos de componentes com defeito, entre outros.

Como ser um astronauta no Brasil?

Marcos Pontes foi o único brasileiro a ir ao espaço (Imagem: Reprodução/Domínio Público)
Marcos Pontes foi o único brasileiro a ir ao espaço (Imagem: Reprodução/Domínio Público)

Atualmente, não existe nenhum programa de parceria entre o Brasil e as agências espaciais que enviam astronautas ao espaço (como houve na missão que enviou Pontes à Estação Espacial Internacional), mas quem sabe no futuro isso volte a acontecer?

Em junho de 2021, o MCTI assinou um compromisso de colaborar com a NASA no retorno da humanidade à Lua, por meio do Programa Artemis. Isso significa que o Brasil deve contribuir principalmente com tecnologias e desenvolvimento de equipamentos.

Entretanto, o programa da NASA prevê a permanência de astronautas em nosso satélite natural, então existe alguma possibilidade de, no futuro, brasileiros serem novamente recebidos pelas agências espaciais. Só nos resta esperar

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos