Mercado fechará em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    111.043,43
    +2.150,11 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.728,05
    +949,18 (+2,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,25
    -1,09 (-2,40%)
     
  • OURO

    1.813,40
    +32,50 (+1,82%)
     
  • BTC-USD

    19.299,42
    -100,35 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,47
    -0,39 (-0,10%)
     
  • S&P500

    3.664,12
    +42,49 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    29.994,10
    +355,46 (+1,20%)
     
  • FTSE

    6.387,06
    +120,87 (+1,93%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.373,25
    +96,25 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3117
    -0,0495 (-0,78%)
     

Como se não bastasse a COVID, caso de peste bubônica é confirmado na China

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Enquanto o mundo vem buscando tratamentos para a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), antigas doenças e ameças podem ressurgir, como um sinal de alerta para a sociedade. É esse o caso relatado pelas autoridades da saúde na cidade de Bayannur, da região chinesa da Mongólia Interior, onde um trabalhador da região rural foi contaminado pela peste bubônica.

De acordo com a comissão de saúde da cidade de Bayannur, o caso foi identificado nesse domingo (5) e o paciente apresenta condições de saúde estáveis, mesmo que ​​sob tratamento em um hospital da região. Para evitar novos problemas, a mesma comissão proibiu a caça e o consumo de animais que possam transmitir a peste — principalmente, as marmotas — até o final desse ano. Além disso, a partir de agora, os moradores da região devem informar as autoridades locais caso encontrem um roedor morto ou doente.

Caso de peste bubônica é identificado em trabalhador da área rural, na China (Foto: reprodução/ Pixabay)
Caso de peste bubônica é identificado em trabalhador da área rural, na China (Foto: reprodução/ Pixabay)

Volta da peste negra?

Não, muito provavelmente esse relato individual não é o retorno da doença responsável pela peste negra, também conhecida como a peste bubônica, durante a Idade Média. Causada pela bactéria Yersinia pestis, a doença é, na maioria dos casos, transmitida por pulgas que são infectadas por roedores. Também pode ser transmitida pelo consumo do animal contaminado. Na Mongólia Interior, o hospedeiro costuma ser a marmota, habitante das áreas rurais.

Em novembro do ano passado, as autoridades chinesas já tinham alertado para o caso de duas pessoas, também na Mongólia Interior, que foram diagnosticadas pela peste pneumônica, doença causada pela mesma bactéria da peste bubônica. No entanto, a peste pneumônica é a única que pode ser transmitida de pessoa para pessoa, através de gotículas respiratórias.

Caso não seja tratada, a peste pneumônica é fatal para o paciente. Enquanto isso, a peste bubônica é fatal para cerca de 30% a 60% dos casos quando não tratada, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Nesses casos, a cura se deve, principalmente, ao uso de antibióticos.

Embora o novo relato possa assustar, casos da peste continuam a ser encontrados, de forma limitada e controlada, em muitas partes do mundo, desde a Idade Média. Por exemplo, cerca de sete casos da paste bubônica são relatados anualmente nos Estados Unidos, sendo a moléstia mais frequente nas áreas rurais, segundo o Centers for Disease Control and Prevention (CDC).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: