Mercado fechará em 6 h 8 min
  • BOVESPA

    109.854,90
    +740,74 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.891,74
    +83,18 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,47
    +1,76 (+2,29%)
     
  • OURO

    1.646,00
    +12,60 (+0,77%)
     
  • BTC-USD

    20.242,63
    +1.059,31 (+5,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,84
    +3,70 (+0,81%)
     
  • S&P500

    3.696,94
    +41,90 (+1,15%)
     
  • DOW JONES

    29.536,72
    +275,91 (+0,94%)
     
  • FTSE

    7.036,22
    +15,27 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.549,25
    +233,00 (+2,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1436
    -0,0358 (-0,69%)
     

Como saber se o coração de Dom Pedro 1º é realmente do antigo monarca?

Chegando ao Brasil em 22 de agosto para as comemorações da independência do país, ocorridas em 7 de setembro, o coração de Dom Pedro 1º fez parte de cerimônias do governo e foi exposto no prédio do Itamaraty, na capital, voltando para Portugal nesta quinta-feira (8). O órgão é guardado em formol pela Igreja Nossa Senhora da Lapa, no país europeu, desde 1837, mas algumas pessoas levantaram a questão: será que o coração é mesmo do antigo monarca?

De acordo com peritos, há alguns métodos para determinar a origem do coração. Inicialmente, é preciso saber se o órgão é humano, o que, pela forma e tamanho, é fácil determinar. Então, deve ser retirado um fragmento dele e extrair seu DNA para fazer um perfil genético do falecido. As coisas complicam um pouco na hora de comparar esses dados com restos mortais confirmados do ex-imperador.

Determinando parentescos

Os melhores órgãos para se comparar o DNA, segundo especialistas, são a cabeça do fêmur, a medula óssea e o dente molar. O corpo de D. Pedro 1º, curiosamente, já foi exumado — em 2012, após 8 anos de negociação com a família imperial, a arqueóloga e historiadora Valdirene do Carmo Ambiel obteve autorização para o procedimento para o seu mestrado.

O corpo do monarca e de suas esposas foram submetidos a ultrassonografias e tomografias, mas não há registro da coleta de material genético à época. Outra maneira de comparar o DNA pode ser através da linhagem familiar, analisando os genes dos descendentes para checar a aproximação do perfil genético do falecido com base em sua árvore genealógica. Isso depende, no entanto, da vontade da sua família.

Preservação do coração de D. Pedro 1º

O coração do imperador fica em um recipiente embebido com formol, líquido trocado a cada 10 anos. A pedidos de D. Pedro 1º, o órgão foi removido do corpo e mantido em Porto, cidade amada por ele no final da vida. Apesar de a substância manter a morfologia — ou seja, formato e aparência — do coração em bom estado, evitando o apodrecimento por até mesmo séculos, ela desgasta o DNA. O exame, no entanto, não é impossibilitado por isso.

Até o momento, vale ressaltar, não há planos para fazer exames de comprovação da origem do coração, que não passa por um questionamento formal acerca da sua associação a D. Pedro 1º.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: