Mercado abrirá em 3 h 30 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,30
    -1,65 (-2,36%)
     
  • OURO

    1.794,80
    +9,60 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    56.543,34
    -759,57 (-1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.425,82
    -3,11 (-0,22%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,78
    -82,17 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.310,00
    -80,75 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3506
    +0,0214 (+0,34%)
     

Como saber se estão usando seu CPF em golpes financeiros?

·3 min de leitura

Com os constantes vazamentos de dados pessoais que a população brasileira anda enfrentando nos últimos anos, é comum que muitas pessoas tenham medo de fraudes financeiras envolvendo o CPF. Afinal, ter o nome sujo já é algo que gera desconforto, então o que dizer quando isso aconteceu por algo que nem foi ocasionado pelo próprio individuo que está sofrendo as consequências?

Infelizmente, por conta dos vazamentos de dados, todo povo brasileiro está sujeito em acabar passando por uma tentativa de fraude em algum momento. Porém, para não ser pego de surpresa, existem algumas ações que as pessoas podem fazer para identificar possíveis golpes. Confira a seguir:

Como saber se estão usando o meu CPF?

Ao consultar constantemente seu CPF, você terá noção de qualquer atividade que está acontecendo em seu nome. Uma das melhores opções para realizar este monitoramento é o site Registrato, do Banco Central, que mostra para os usuários registrados quais contas, pedidos de empréstimo e demais serviços foram realizados usando o seu documento. A ferramenta é de graça e pode ser acessada aqui.

<em>Imagem: Reprodução/Serasa</em>
Imagem: Reprodução/Serasa

Checar se o nome está sujo também é uma ótima ação. As plataformas do Serasa e do SPC Brasil contam com serviço de consulta ao CPF gratuito, que indicam qualquer dívida que tenha sido registradas em seus bancos de dados com a identificação da pessoa. Com um monitoramento constante, é mais fácil saber quais movimentações referentes ao documento estão ocorrendo.

Se você perceber consultas suspeitas em seu CPF, procure a instituição financeira (banco, companhia de telefone, loja, etc.) e alerte que essas consultas são indevidas e podem ser uma fraude em andamento.

Por fim, além do monitoramento, vale também tomar cuidados com o próprio número do CPF, já que ele é um documento importante demais para ser compartilhado em qualquer canto ou serviço. Segundo o Serasa, nas seguintes situações, as pessoas devem tomar cuidado com os documentos, evitando fornecer informações como o número do CPF.

  • Ao confirmar dados por telefone;

  • Em formulários em que essa informação não for obrigatória, evite fornecê-lo;

  • Cuidado com contatos suspeitos via e-mail ou SMS solicitando dados pessoais. Veja nossas dicas para saber se um e-mail é falso;

  • Ao fazer compras, também não permita que os funcionários da loja saiam de sua vista com seus documentos em mãos.

Além disso, caso seu documento físico seja perdido ou roubado, é recomendado a realização de um Boletim de Ocorrência, para prevenir possíveis compras fraudulentas.

Sofri uma fraude, e agora?

Mesmo com cuidado, seu CPF acabou sendo usado em uma fraude financeira. No meio do desespero de saber do golpe, você se pergunta o que pode fazer para mitigar a situação. Por sorte, a lei brasileira já conta com recursos o suficiente para tratar destes casos.

O principal passo é notificar a empresa que concebeu algum crédito em seu CPF e o seu banco sobre a fraude, mostrando também provas sobre o golpe, como as consultas suspeitas em seu CPF ou o Boletim de Ocorrência feito na perda/roubo do documento. Após essa situação, um processo será aberto sobre a fraude, onde a companhia credora deve cancelar o empréstimo e resolver o caso sem causar nenhum dano ao consumidor.

Agora, se mesmo com o registro da fraude, a empresa se recusar a desfazer a operação, cabe registrar reclamação junto ao Procon ou ajuizar uma ação judicial, para ressarcimento dos prejuízos causados, inclusive perante o banco. Cabe destacar que causas de até 20 salários mínimos podem ser ajuizadas sem a necessidade de advogado, junto aos Juizados Especiais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos