Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.124,12
    -192,95 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Como são as plataformas de onde a NASA lança foguetes espaciais?

Existem nos EUA grandes complexos de lançamentos, como a Base da Força Espacial Vandenberg, na Califórnia, e a Kodiak Island, no Alasca. Entretanto, as principais missões espaciais — tanto robóticas quanto tripuladas, incluindo as missões Apollo e Artemis — são lançadas da costa leste da Flórida.

No litoral leste dos EUA, existem dois complexos de lançamento, cada um com seus subcomplexos e plataformas. Eles são a Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (CCSFS) e o Centro Espacial John F. Kennedy (KSC). Eles são vizinhos e suas administrações trabalham em colaboração, compartilhando recursos e instalações.

O Cabo Canaveral e adjacências formam uma faixa de terra do condado de Brevard, na parte costeira oriental do estado da Flórida. O primeiro lançamento no Cabo Canaveral foi o Bumper 8, na plataforma de lançamento 3, em 24 de julho de 1950.

Mapa do Cabo Canaveral e do Centro Espacial Kennedy, ao norte (Imagem: Reprodução/NASA/GSFC/METI/ERSDAC/JAROS/ASTER Science Team)
Mapa do Cabo Canaveral e do Centro Espacial Kennedy, ao norte (Imagem: Reprodução/NASA/GSFC/METI/ERSDAC/JAROS/ASTER Science Team)

A área foi usada para testes nucleares e para os primeiros voos naquela década, principalmente por ter acesso ao mar e por ser relativamente próximo do equador. Isso permite lançar um foguete com a menor energia possível, aproveitando o movimento de rotação da Terra.

Outra vantagem dos lançamentos no litoral é que, caso ocorra algum problema com o foguete após a decolagem, os operadores dos voos podem enviá-lo com segurança no Oceano Atlântico sem colocar a população em risco.

Hoje, a região é conhecida como Costa Espacial (por motivos óbvios) e se tornou até mesmo ponto turístico para os entusiastas.

Cabo Canaveral e Centro Kennedy

<a class="link " href="https://canaltech.com.br/empresa/spacex/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:SpaceX">SpaceX</a> Crew Dragon em uma das plataformas de lançamento do Kennedy Space Center (Imagem: Reprodução/The White House/Shealah Craighead)
SpaceX Crew Dragon em uma das plataformas de lançamento do Kennedy Space Center (Imagem: Reprodução/The White House/Shealah Craighead)

Foi em 1958 que a NASA e os militares começaram a trabalhar juntos em lançamentos de missões robóticas, que chegavam a dois por mês. Enquanto os foguetes eram lançados em CCSFS, o KSC supervisionava a montagem final e os testes dos veículos.

Na década de 1960, a diretoria de Operações de Lançamento Não Tripulado do KSC tornou-se responsável pelas missões robóticas da NASA, enquanto também oferecia serviços para missões comerciais e estrangeiras.

Com o Programa de Serviços de Lançamento formado no KSC na década de 1980, os programas e o pessoal já existentes em diversas entidades (como o Goddard Space Flight Center) foram reunidos para gerenciar as missões robóticas da NASA e NOAA.

Entre os complexos do KSC, está o Complexo de Lançamento 39 (LC-39) — construído para os lançamentos do programa Apollo — e o Complexo de Lançamento 48, para pequenos voos. O LC-39 foi usado para diversas missões tripuladas, incluindo o programa de ônibus espacial.

CL-39: onde missões Artemis serão lançadas

O Falcon 9 da SpaceX em primeiro plano na Plataforma de Lançamento 39A; SLS da NASA está em segundo plano na Plataforma de Lançamento 39B (Imagem: Reprodução/NASA/Jamie Peer)
O Falcon 9 da SpaceX em primeiro plano na Plataforma de Lançamento 39A; SLS da NASA está em segundo plano na Plataforma de Lançamento 39B (Imagem: Reprodução/NASA/Jamie Peer)

O Complexo de Lançamento 39 é usado hoje para as principais missões, incluindo o programa Artemis. Ele consiste em dois blocos: 39A, 39B, projetadas para o veículo Saturn V, responsável pelos voos tripulados a partir da década de 1960.

Atualmente, a plataforma 39A é alugada pela SpaceX, enquanto a 39B está preparada para lançar o Space Launch System, o novo veículo da NASA, que levara a humanidade de volta à Lua por meio do programa Artemis. Há ainda um bloco menor, o 39C, usado para acomodar veículos de lançamento de pequeno porte.

Existem muitos outros complexos em Cape Canaveral e no Kennedy Center Space, construídos desde a década de 1950. Alguns deles estão desativados, outros foram alugados para empresas comerciais. O Launch Complex 48, por exemplo, é dedicado a pequenos foguetes e naves.

O complexo 26 de Cape Canaveral foi desativado e se transformou em um museu com artefatos, foguetes e naves do início do programa espacial americano. Ele é parte do Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy — onde você definitivamente deve ir, caso queira realizar um passeio turístico da NASA.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: