Mercado fechado

Como restabelecer uma rotina de sono

Agência Einstein
·3 minutos de leitura
Bad mood in morning. Overslept black guy lying in bed and conteplaining, closeup
Bad mood in morning. Overslept black guy lying in bed and conteplaining, closeup

Por Cristiane Bomfim, da Agência Einstein

A neta de Diomara Cantesani, de 56 anos, trocou a noite pelo dia durante a quarentena. Enquanto a avó trabalha em home office, Isabella, que tem 5 anos, dorme. Ela desperta no fim do dia cheia de energia e quer brincar. “Quando estou trabalhando não consigo dar toda atenção que ela quer e aí avanço a noite”, desculpa-se a avó. A retomada gradual da rotina nas empresas, comércios e escolas tem acendido um sinal de alerta: como voltar, sem sofrimento, àquela rotina de antes da pandemia, mais regrada e com horários mais definidos para as atividades.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

A primeira dica da neurofisiologista e especialista em sono do Hospital Israelita Albert Einstein, Letícia Santoro Azevedo Soster, é não se culpar por não ter conseguido manter durante a quarentena a rotina de antes. “Perdemos a sincronização social, ou seja, o horário de dormir, de acordar, de sair, de tomar sol, de fazermos as refeições. Por isso, estamos indo dormir quando estamos cansados e não quando estamos tranquilos e de acordo com nosso relógio biológico.”

Leia também

De acordo com a médica, para uma boa noite de sono é preciso que três processos atuem em sincronia: o homeostático, o circadiano e o comportamental. O primeiro está relacionado ao cansaço e gasto energético acumulado ao longo do dia. O segundo designa o período de 24 horas no qual se baseia o relógio biológico da maioria dos seres vivos e tem influência direta da variação de luz – noite e dia e exposição à luz solar–, temperatura, liberação de hormônios como o de crescimento, saciedade e prazer. Já o comportamental reflete nossas ações ao longo dia que influenciam no sono, como estímulos recebidos perto da hora de dormir e o estresse à noite.

“Algumas pessoas tiveram uma cronoruptura, ou seja, a quebra do ritmo do relógio biológico. E voltar atrás nesse processo e reestabelecer os padrões não é algo passivo. Exige esforço, assim como manter o peso ideal, e deve ser feito aos poucos. Seja gentil com você. Não tente fazer uma mudança abrupta”, explica Letícia.

Retome de forma gentil

Para retomar os horários de acordar e dormir, o ideal é adiantar o horário de acordar gradualmente. “Se hoje a pessoa está acordando as 10h, mas habitualmente o horário dela despertar é às 7h, por três ou quatro dias seguidos, ela se organiza para levantar-se às 9h30. Depois, adianta mais meia hora por mais alguns dias e assim sucessivamente até chegar no horário desejado”, ensina. Os horários das refeições devem acompanhar esta alteração e manter uma regularidade, bem como o preparo para dormir.

A médica ressalta ainda a importância da exposição à luz solar no período da manhã. “Esse contato dos olhos com a luz matutina ajuda o cérebro a entender que é dia e ir ajudando na regulação do relógio biológico”, diz.

Para o fim do dia, a lógica é preparar o organismo para relaxar. Abaixar as luzes, reduzir a exposição de telas (celular, TV, tablets) e evitar ações que estimulem sensações como preocupação. “Prefira consumir conteúdos mais tranquilos à noite para que o cérebro vá desligando aos poucos. Ninguém precisa ficar assistindo notícias repetidas seguidamente na hora de dormir”, aconselha. O resultado não é imediato, em média, são necessários de 15 a 21 dias para que o organismo se habitue. “O importante é entender que a cada dia começa um novo ciclo de vida e de sono e você pode recomeçar todos os dias”, afirma Letícia.

(Fonte: Agência Einstein)