Mercado abrirá em 6 h 36 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,32
    -1,18 (-1,50%)
     
  • OURO

    1.629,80
    -6,40 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    18.795,36
    -1.429,72 (-7,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,89
    -29,25 (-6,37%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.430,19
    -430,12 (-2,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.255,25
    -78,50 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Como proteger meu celular de invasões?

Com cada vez mais ações sendo realizadas por meio do smartphone, ter o dispositivo invadido pode comprometer de forma substancial a identidade e privacidade de uma pessoa. Com métodos cada vez mais sofisticados e difíceis de detectar, é possível que um celular tenha sido invadido e o dono sequer saiba disso por bastante tempo.

A invasão de um smartphone envolve qualquer método em que alguém force o acesso a um telefone. Isso pode abranger desde violações de segurança, até o monitoramento de conexões inseguras de internet. As entradas podem ocorrer em todos os tipos de dispositivos, não estando restritos a dispositivos Android ou iPhones.

Como saber se seu smartphone foi invadido

Qualquer pessoa pode estar vulnerável a esses crimes, mas existem alguns sinais que podem ser observados e ajudam a identificar se um dispositivo foi invadido. Um deles é a bateria, que pode, de uma hora para a outra, perder rendimento, já que malwares aplicativos fraudulentos às vezes usam códigos maliciosos que tendem a utilizar muita bateria.

O telefone também pode passar a funcionar de forma lenta, já que a capacidade de processamento pode ser desviada para o funcionamento de aplicativos obscuros. Alguns sintomas podem ser congelamentos e reinicializações inesperadas.

Atividades estranhas em suas contas online, como solicitações de redefinição de senha em redes sociais ou contas de e-mail. Locais de login em que você esteve ou verificações de inscrição em novas contas e mensagens enviadas para contatos pedindo informações pessoais também devem acender um sinal amarelo para uma eventual invasão.

Como evitar uma invasão

Para evitar uma invasão, é importante tomar algumas medidas, como não baixar aplicativos desconhecidos ou sem reputação estabelecida. Além de não desbloquear o telefone para permitir o download de programas de fora das lojas oficiais. Também é importante manter o telefone sempre consigo, já que o acesso físico é a maneira mais fácil de corromper o aparelho.

Sempre use um bloqueio com código ou senhas complexas e evite senhas fáceis. Dê preferência para uma credencial alfanumérica com pelo menos seis caracteres. Limpe com frequência seu histórico na internet e ative um serviço de rastreamento de dispositivo perdido, além de manter todos os aplicativos atualizados.

Use sempre ativar a autenticação de dois fatores e a biometria, quando disponível. Porém, nunca compartilhe os códigos recebidos para desbloqueio de serviços. Além de nunca usar redes wi-fi públicas sem auxílio de uma rede virtual privada (VPN).

O que fazer se o telefone for invadido

Porém, caso o telefone realmente tenha sido invadido por um cibercriminoso, a primeira reação deve ser excluir todos os malwares do telefone. Isso pode ser feito com a instalação de um antivírus com licença paga, que também pode ajudar a manter senhas específicas, como de bancos e de aplicações usadas no trabalho em segurança.

Depois de limpar os malwares, é necessário trocar as credenciais de aplicativos como os de bancos, e-mails pessoal e profissional, do Apple ID ou da conta do Google, senha do telefone propriamente dito e de todas as redes sociais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: