Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.792,53
    +103,75 (+0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Como a pandemia afetou a relação dos fumantes com o cigarro?

·2 minuto de leitura
Como a pandemia afetou a relação dos fumantes com o cigarro?
Como a pandemia afetou a relação dos fumantes com o cigarro?

A pandemia da Covid-19 afetou substancialmente a relação dos fumantes com o cigarro e mudou bastante o consumo de tabaco. Enquanto algumas pessoas passaram a fumar mais para conseguirem lidar com o isolamento causado por medidas de isolamento social adotadas em diversos locais ao redor do mundo, outros abandonaram o tabagismo para diminuir sua vulnerabilidade à Covid-19.

Esses dados são resultado de um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Vanderbilt, em Nashville, e da Universidade de Pittsburgh, ambas nos Estados Unidos. “Estudos mostraram que o uso de álcool e opióides aumentou durante a pandemia, mas pouco se sabe sobre como os fumantes responderam”, disse a autora principal da pesquisa, Nancy Rigotti, ao Medical Xpress.

Leia mais!

A equipe de Rigotti analisou as respostas de 694 pessoas, entre fumantes e ex-fumantes diários, com idade média de 53 anos. Todos eles haviam sido hospitalizados antes da pandemia e participado de um outro estudo sobre tabagismo. Para 68% dos entrevistados, fumar aumenta o risco de contrair Covid-19 ou de ter um caso mais grave da doença. Porém, 32% dos entrevistados aumentaram o consumo de cigarros durante a pandemia mesmo acreditando ser arriscado.

Muitos pararam

37% dos entrevistados dizem ter conseguido parar de fumar. Crédito: PX Here
37% dos entrevistados dizem ter conseguido parar de fumar. Crédito: PX Here

37% diminuíram o número de cigarros ou pararam totalmente de fumar, outros 31% continuaram fumando, mas não notaram alterações no volume de consumo. Entre as pessoas que afirmaram ter passado a fumar mais, a motivação foi o aumento nos níveis de estresse, enquanto os que largaram o vício alegaram o risco de contrair Covid-19 e terem casos mais graves da doença.

“Mesmo antes da pandemia, o tabagismo era a principal causa de morte evitável nos Estados Unidos. A Covid-19 deu aos fumantes mais uma boa razão para parar de fumar”, disse Rigotti. “Médicos, sistemas de saúde e agências de saúde pública têm a oportunidade de educar os fumantes sobre sua vulnerabilidade especial ao Covid-19 e convencê-los a usar esse tempo para parar de fumar”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!