Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.829,27
    +902,93 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.771,12
    -56,81 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,20
    -0,76 (-1,09%)
     
  • OURO

    1.981,00
    -14,90 (-0,75%)
     
  • Bitcoin USD

    27.481,84
    +1,56 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    597,33
    -21,06 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.970,99
    +22,27 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    32.237,53
    +132,28 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.405,45
    -94,15 (-1,26%)
     
  • HANG SENG

    19.915,68
    -133,96 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    27.385,25
    -34,36 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    12.922,75
    +68,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6520
    -0,0780 (-1,36%)
     

Como o TikTok pode prejudicar funções do cérebro

Tendência mundial, o TikTok tem conquistado cada vez mais adeptos. No entanto, os especialistas têm um alerta sobre essa rede social: o potencial destrutivo para determinadas funções do cérebro. A informação vem principalmente de um estudo publicado na revista científica Brazilian Journal of Development.

Segundo o Pós PhD em neurociências e biólogo, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, responsável pelo estudo em questão, o que acontece é que a rede social pode gerar um vício de recompensas no cérebro, causando desequilíbrios hormonais que reduzem a capacidade de concentração e podem desencadear ansiedade e depressão.

“Atualmente o uso excessivo de redes sociais pautadas pela velocidade, onde conteúdos de curta duração são infinitamente fornecidos com base nos seus gostos e necessidades, identificados via algoritmo, moldam a química cerebral, gerando um vício na dopamina gerada por essas ‘pílulas de prazer’, causando a fadiga mental”, explica o pesquisador.

De acordo com o especialista, a fadiga mental impede que o cérebro consiga concluir tarefas, como ler um livro, estudar, limpar a casa ou cozinhar, substituindo por outras atividades antes da sua conclusão total, uma vez que o órgão está acostumado a substituir estímulos por outros mais fortes em apenas um deslizar de dedos — e isso acaba afetando a realidade, reduzindo as capacidades.

TikTok pode prejudicar funções do cérebro, segundo especialista (Imagem: Pete Linforth/Pixabay)
TikTok pode prejudicar funções do cérebro, segundo especialista (Imagem: Pete Linforth/Pixabay)

O cientista reitera que doses de dopamina (neurotransmissor ligado a sensações de prazer) são liberadas no cérebro com um sistema de recompensa por atividades prazerosas. O problema é que o uso das redes sociais banaliza essa liberação, viciando o cérebro em dopamina.

O efeito é o seguinte: o cérebro passa a exigir doses mais altas de dopamina e interrompe tarefas pela metade assim que as doses de dopamina fornecidas por ela são reduzidas. Na prática, esse processo prejudica atenção, foco, concentração, memória, aprendizado e diversas outras funções do cérebro.

Anteriormente, estudos apontaram que usar redes sociais pode afetar o cérebro de adolescentes, já que estes podem se tornar mais sensíveis ao antecipar recompensas e punições sociais ao longo do tempo. Assim, o público que cresce verificando as mídias com mais frequência está se tornando hipersensível ao feedback alheio.

Pesquisadores da Zhejiang University (China) já tentaram entender por que o TikTok é viciante, e como os vídeos curtos agem no seu cérebro: através de uma sensação de prazer e satisfação no organismo, ativando especificamente a área tegmental ventral (ATV), um dos principais centros de liberação de dopamina.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: