Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,32
    -0,13 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.718,00
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    20.011,05
    -337,50 (-1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,00
    -8,12 (-1,75%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.846,69
    -165,46 (-0,92%)
     
  • NIKKEI

    27.188,69
    -122,61 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    11.536,00
    -5,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0994
    -0,0141 (-0,28%)
     

Como o axolote consegue regenerar o próprio cérebro

Para compreender possíveis alternativas de regeneração celular em humanos, uma equipe de cientistas chineses investiga um simpático animal: o axolote (Ambystoma mexicanum). Esta salamandra é conhecida pela sua peculiar capacidade de regenerar membros perdidos e outros tecidos, como o cérebro, a medula espinhal, o coração ou ainda a retina.

Vale explicar que a regeneração, especialmente do cérebro, requer a coordenação de respostas complexas de uma maneira específica de tempo e região, o que não é comum para a maioria dos seres vivos. Entender este processo pode fornecer pistas e caminhos para estimular este tipo de regeneração em humanos, segundo os cientistas.

O axolote é um animal conhecido por suas peculiares características de regeneração (Imagem: EwaStudio/Envato)
O axolote é um animal conhecido por suas peculiares características de regeneração (Imagem: EwaStudio/Envato)

Publicado na revista Science, o estudo sobre a regeneração de tecidos, incluindo o cerebral, do axolote foi liderado por pesquisadores da empresa chinesa BGI Genomics. A organização é referência no sequenciamento genômico.

Observação: se você achou o axolote estranhamente familiar, existe uma explicação bastante simples. Esta salamandra foi usada como inspiração para a criação do Pokémon Wooper. Tal qual o anfíbio original, o personagem animado chega à fase adulta ainda carregando as características de quando era um "bebê".

Como o axolote consegue regenerar as células do cérebro?

Para entender o processo de regeneração do cérebro, os pesquisadores adotaram a tecnologia conhecida como Stereo-seq. Ela permite a reconstrução da arquitetura cerebral do axolote durante o desenvolvimento e os processos de regeneração. Em outras palavras, foi possível criar mapas do cérebro do animal e saber quais tipos de células agem em momentos específicos.

Na segunda etapa da pesquisa, a ideia era verificar quais as semelhanças e diferenças entre a formação de neurônios durante o desenvolvimento do animal — do bebê axolote até a sua maturidade — e a regeneração.

Cientistas mapeiam como o axolote regenera as células do cérebro (Imagem: Reprodução/BGI Genomics)
Cientistas mapeiam como o axolote regenera as células do cérebro (Imagem: Reprodução/BGI Genomics)

Segundo os autores do estudo, há um padrão semelhante nos dois processos analisados. Isso porque as células-tronco neurais se "transformam" em células progenitoras. Posteriormente, elas se tornam neurônios imaturos e, finalmente, maduros.

A descoberta indica que, após uma lesão, o organismo desta salamandra induz as células-tronco neurais a se transformarem em um estado de desenvolvimento rejuvenescido e, assim, começa — ou recomeça — o processo de regeneração.

Agora, a ideia é buscar formas de induzir este processo em humanos e outras espécies de mamíferos, o que pode revolucionar a forma com a qual a medicina encara as lesões no cérebro. No entanto, um longo caminho de estudos ainda é necessário.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: