Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.838,40
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    40.680,34
    -1.106,40 (-2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,43
    -2,83 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.719,25
    -121,75 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1301
    -0,0373 (-0,60%)
     

Como nas mulheres, o clitóris é a chave do prazer para as fêmeas de golfinho

·4 min de leitura
(Arquvivo) Golfinho é fotografado por visitante no aquário S.E.A., em Singapura (AFP/Roslan RAHMAN)

Os golfinhos são bem conhecidos por fazer sexo não apenas com fins reprodutivos, mas também para promover vínculos mais profundos entre os indivíduos e para sua autossatisfação.

Agora, um novo estudo publicado na revista Current Biology mostra que as fêmeas possuem um grande clitóris repleto de nervos sensitivos e tecido erétil, o que sugere que o órgão tem um papel-chave para dar prazer.

A autora principal e especialista em genitálias animais, Patricia Brennan, da faculdade Mount Holyoke College, nos Estados Unidos, explicou à AFP que a sexualidade não humana é uma área de estudo pouco abordada, especialmente com foco nas fêmeas.

"São coisas criticamente importantes que devemos compreender em nível evolutivo. É possível que tenham algo a nos ensinar sobre a nossa própria sexualidade", opinou a especialista.

Além dos primatas, os golfinhos são uma das principais espécies conhecidas por usar o sexo como forma de criar e manter laços sociais.

Estes mamíferos aquáticos mantêm relações sexuais - inclusive entre machos e machos e fêmeas e fêmeas - durante todo o ano, e o clitóris está localizado em um ponto que seria estimulado durante a cópula.

Estes animais também se esfregam contra a areia para se masturbar e há relatos de fêmeas tocando os clitóris uma das outras com seus focinhos e barbatanas.

Todos esses comportamentos indicam que os animais sentem prazer com essa experiência, mas Brennan e seus colegas queriam confirmar a ideia e obter um conhecimento biológico mais profundo.

Como é difícil analisar as relações sexuais de golfinhos em condições de laboratório, de forma a recolher dados como pulsação e registrar suas atividades cerebrais, os especialistas decidiram estudar as funcionalidades do clitóris para chegar a conclusões.

Assim, eles realizaram análises detalhadas dos clitóris de 11 fêmeas que morreram de causas naturais e encontraram forte evidência para respaldar a funcionalidade do órgão.

A primeira funcionalidade encontrada foi a presença de estruturas de tecido erétil, com muitos vasos sanguíneos.

"O que isso significa é que estes são tecidos que se enchem com sangue, parecido com o que acontece com o pênis e com o clitóris em humanos", disse Brennan.

Além disso, a forma dessas estruturas era diferente entre exemplares de filhotes e adultos, indicando que são utilizadas quando o animal atinge a maturidade sexual.

Em segundo lugar, a equipe descobriu que o clitóris tem grandes nervos e muitas terminações nervosas logo abaixo da pele, similar às pontas dos dedos humanos - e, claro, também aos genitais. Ademais, a pele do clitóris é muito fina para aumentar a sensibilidade.

Por fim, os cientistas encontraram estruturas sensoriais chamadas corpúsculos genitais, que são bastante similares às encontradas no pênis e no clitóris humano, e que se sabe que existem especificamente para proporcionar prazer.

Os humanos tiveram um último ancestral comum com os cetáceos há aproximadamente 95 milhões de anos, o que torna tais similitudes tão surpreendentes, pois a relação é distinta da que existe com os primatas, dos quais nos separamos há cerca de 6 milhões de anos.

- Incômodo -

Para Brennan, a falta de pesquisas sobre golfinhos, mas também sobre a sexualidade animal feminina em geral, é "desconcertante" e provavelmente se deve ao incômodo que o tema pode gerar entre cientistas e público. Contudo, na sua opinião, isso não faz com que o assunto seja menos importante de ser estudado.

Como exemplo, a cientista assinalou que pesquisas anteriores mostraram que o sucesso da inseminação artificial de bovinos e suínos aumenta de maneira considerável quando uma pessoa estimula os genitais do animal.

"As pessoas poderiam se sentir desconfortáveis se soubessem que para ter carne alguém teve que estimular o clitóris de uma vaca", afirmou.

Além disso, estudar a sexualidade animal pode ter implicações na saúde humana, explicou Brennan.

"Certamente, existem muitas mulheres que experimentam problemas durante o sexo, por exemplo, relacionados com a excitação ou com dor, ou com a impossibilidade de ter um orgasmo", disse. Para a especialista, estudar outros mamíferos poderia melhorar o entendimento sobre as razões desses problemas e ajudar a encontrar possíveis soluções.

Brennan acredita que parte dos motivos para que o campo da sexualidade feminina seja pouco estudado estaria no desequilíbrio histórico no número de cientistas mulheres. O próprio clitóris humano, inclusive, só foi totalmente descrito nos anos 1990.

A pesquisadora planeja agora estudar as alpacas, que chegam a copular por até meia hora. Ela suspeita que, durante o ato sexual, os machos estimulem os clitóris das fêmeas para facilitar a reprodução.

ia/sw/lda/lm/rpr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos